Kassab quer pagar extra de 100% a PM

Gratificação municipal proposta pelo prefeito já existe em São Caetano; o objetivo seria desestimular os ?bicos?

Diego Zanchetta, O Estadao de S.Paulo

05 Agosto 2009 | 00h00

O prefeito Gilberto Kassab (DEM) enviou ontem à Câmara Municipal um novo texto que cria gratificações de até 100% sobre o salário de oficiais da Polícia Militar que trabalham em batalhões de São Paulo. A gratificação via município para um servidor estadual da corporação já é adotada em São Caetano e vale somente para os profissionais ativos. Pelo projeto, a gratificação de 100% será aplicada para as seguintes patentes: coronel, tenente-coronel, major, capitão, 1º tenente e 2º tenente. O índice de até 70% poderá incidir sobre os vencimentos de subtenente, 1º sargento, 2º sargento, 3º sargento, cabo e soldado. O governo defende que o bônus poderá acabar com os "bicos" realizados por policiais fora do horário de trabalho como forma de aumentar os vencimentos. De acordo com pesquisa de 2007 da Associação de Cabos e Soldados, 80% dos 70 mil praças do Estado - ou 56 mil PMs - faziam serviço extra para complementar o salário. Na capital, conforme cruzamento de dados de escala de trabalho, remuneração e o relato de funcionários da PM, havia três vezes mais policiais fazendo bico do que no patrulhamento de rua. No projeto, o governo municipal não fez uma estimativa do impacto que as gratificações podem causar no orçamento. Se a proposta for aprovada pelo Legislativo, um decreto da Prefeitura terá de regulamentar como serão feitos os pagamentos. "É uma clara valorização dos PMs que trabalham na capital paulista. Dessa forma, os policiais ganham um estímulo a mais para trabalhar em regime de dedicação exclusiva à corporação", defendeu o líder do PSDB no Legislativo, Carlos Alberto Bezerra. Os 40 coronéis da reserva da Polícia Militar que trabalham nas subprefeituras e em repartições municipais e os policiais que fazem a segurança do prefeito não serão beneficiados pela medida, segundo Bezerra. Os salários dentro da PM hoje variam de R$ 2 mil a R$ 8 mil (incluídas as gratificações estaduais previstas para a profissão). O policial que já recebe bônus por outras funções acumuladas - como, por exemplo, os agentes que trabalham no trânsito paulistano - não poderá receber outra vantagem, conforme o texto do projeto. Até as 20 horas de ontem, porém, poucos vereadores tinham conhecimento do texto protocolado pelo prefeito sob o número 486/2009. "Ainda estamos analisando o texto para emitir amanhã (hoje) uma posição em plenário", disse o líder do PT, vereador João Antonio. COLABOROU FABIO LEITE

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.