Kersul confirma erro no manete e diz que piloto pisou no freio

O brigadeiro Jorge Kersul Filho, chefe do Cenipa, confirmou à CPI da Crise Aérea nesta quarta-feira que um dos manetes do Airbus da TAM estava em posição de aceleração quando o avião aterrissou em Congonhas e revelou que um dos pilotos colocou os pés no freio para tentar reduzir a velocidade da aeronave.  Leia os últimos diálogos dos pilotos no Airbus   Caixa-preta aponta que piloto não conseguiu desacelerar Airbus  Brigadeiro diz que caixa-preta revela um 'filme de terror'  CPI quer inquérito sobre vazamento de dados da caixa-preta  Quem são as vítimas do vôo 3054  Galeria de fotos  Opine: o que deve ser feito com Congonhas?  Cronologia da crise aérea  Vídeos do acidente  Tudo sobre o acidente do vôo 3054 O comandante do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, apesar de não afirmar categoricamente, indicou à CPI que uma falha humana pode ter provocado o acidente com o Airbus da TAM, considerando os dados obtidos das caixas-pretas do avião.Ele não descartou, porém, a possibilidade de ter ocorrido também falha mecânica. A Reuters teve acesso às declarações de Kersul, dadas aos parlamentares em sessão reservada da comissão.Na explicação do brigadeiro, proferida didaticamente por meio de gráficos projetados na parede da sala de audiências da comissão, ele deixa claro que os pilotos pisaram no freio no momento em que perceberam a alta velocidade do avião.Kersul afirmou que os manetes (alavancas que controlam as turbinas da aeronave) estavam em posições conflitantes quando o avião tocou a pista. Enquanto o da esquerda estava na posição "idle" (ponto morto), o da direita estava em "climb" (ponto de aceleração), fazendo com que o motor do lado direito acelerasse, não parasse.O brigadeiro revelou aos deputados que o manete em posição errada foi encontrado nos destroços do avião, nas imediações do aeroporto, ajudando a validar essa tese."Quando o motor direito estava recebendo a informação de que a aeronave estava em climb, o computador mandou para todos os sistemas: não freie porque essa aeronave aqui vai voar. E não abra os spoilers porque o avião vai voar."Outra informação é que a transcrição dos diálogos dos pilotos, obtidos da caixa-preta, mostra um dos pilotos dizendo que os spoilers (freios aerodinâmicos das asas) não se abriram no momento em que o trem de pouso tocou o solo.Uma das linhas de investigação da Aeronáutica para a falha humana considera a possibilidade de os pilotos não terem percebido que o manete direito estava fora do lugar."Ele (piloto) saiu da pista e, pelo que a gente pode ter como hipótese, é que, em nenhum momento, foi identificado que aquele motor estava dando potência, porque, se tivesse sido, seria o movimento natural tentar reduzir aquela manete", disse Kersul.Apesar da avaliação, nem ele nem o inquérito militar descartam nenhuma hipótese, sobretudo a de falhas múltiplas."O computador está dizendo que a manete está em climb o tempo todo. Agora, se o piloto provocou ou não provocou, em que posição que ele deixou (o manete), realmente é uma coisa para gente tentar se aprofundar e podemos não necessariamente chegar a alguma conclusão", disse.Durante suas explicações, Kersul fez elogios a modelos como o do Airbus acidentado. Segundo ele, "essas máquinas são muito próximas da perfeição" e a "saída de pista é uma coisa muito comum (com pilotos)". "VIRA. VIRA"As últimas palavras trocadas pelos pilotos nos segundos finais antes da explosão foram divulgados à CPI e à imprensa nesta quarta. As gravações, transcritas em inglês, dão conta do drama vivido naquela ocasião e evidenciam a dificuldade de frear a aeronave.Com o motor direito ligado em alta potência, o avião acabou pendendo para o lado esquerdo, como se estivesse saindo da pista. Segundo Kersul, os dados eletrônicos sugerem que pilotos tentaram manter o avião alinhado à pista."O piloto deve ter tentado manter o avião na pista, usando todos os mecanismo que estavam à disposição dele. Então, quando o motor começou a embalar, foi ficando mais difícil manter o avião na pista e o avião começou a se deslocar para a esquerda, porque esse motor direito estava empurrando o avião", ponderou o brigadeiro. REVERSO COM PROBLEMASA transcrição dos últimos 30 minutos de diálogos na cabine, registrados nas caixas-pretas do avião, mostram que os pilotos tinham conhecimento prévio de que o reverso direito (sistema potente de freio dentro da turbina) não estava funcionando.A TAM admite a falha no reverso, mas tem argumentado que isso não colaborou para o acidente que causou a morte de 199 pessoas, no último dia 17.    

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.