King, um macaco-prego, é capturado no Rio

King, o macaco-prego que morava no quintal de uma casa em Vila Recreio, na zona oeste do Rio, foi capturado neste sábado por bombeiros. Moradores pediram socorro porque o bicho havia mordido quatro pessoas esta semana. Eles contaram que o animal era criado por uma mulher que mora num condomínio próximo, mas acabou indo para a comunidade há cerca de 15 dias.Três crianças e uma mulher atacadas foram atendidas no hospital Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca. Tomaram vacina anti-rábica e voltarão para uma dose de antitetânica.Moradores contaram que o macaco reagia à perseguição de crianças e adultos que costumavam jogar pedras nele. Pedro Guilherme Gonçalves, de 14 anos, afirma que foi mordido sem ter feito nada. "Eu estava só fazendo carinho nele. De repente ele me mordeu. Sangrou muito", disse o garoto, que foi atacado na última terça-feira.Na sexta-feira, uma equipe do Corpo de Bombeiros comandada pelo coronel Marcos Silva, chefe das unidades especializadas da corporação, passou 20 minutos caçando o bicho, que subiu em árvores, provocando confusão entre os moradores.Com a ajuda do veterinário Tiago Muniz, do zoológico de Niterói, que injetou um tranquilizante em King, os bombeiros puderam segurá-lo. O macaco foi levado para o zoológico, onde deverá ficar. "Ele está muito estressado e abaixo do peso. Não pode mais viver na natureza pois não sobreviverá. Foi humanizado", disse o veterinário. Ele estimou que o bicho tenha de cinco e dez anos.A babá Valdina Marques do Santos, 54, lamentou a captura do animal. "Ele ficava no meu quintal todos os dias, comia goiaba, arroz e macarrão. Só mordia alguém quando faziam maldade." Uma moradora contou que as crianças passaram a caçá-lo porque a dona lhes ofereceu dinheiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.