Lacerda e Godoy prestam depoimento nesta sexta

O ex-coordenador de comunicação da candidatura Aloizio Mercadante (PT-SP), Hamilton Lacerda, será interrogado pela Polícia Federal nesta sexta-feira, 29, a partir das 9h. Ainda nesta tarde, a PF também ouve Freud Godoy, exassessor especial do presidente Lula.Hamilton, que responde ao interrogatório na Superintendência da Polícia Federal na capital paulista, foi identificado como o homem que levou uma mala com R$ 1,75 milhão para os petistas Gedimar Passos e Valdebran Padilha, um dia antes de suas prisões.Os depoimentos serão conduzidos pelo delegado Diógenes Curado e pelo procurador da República Mário Lúcio Avelar.A PF tem indícios de que há um segundo mensageiro de dinheiro e vai interroga, também nesta tarde, o ex-secretário especial do presidente Luiz Inácio Lula da Silva Freud Godoy, apontado nas investigações como responsável pelo levantamento de fundos para a compra do dossiê Vedoin.ImplicaçõesBraço direito do candidato a governador Aloízio Mercadante, Hamilton Lacerda deverá ser indiciado e ter seus sigilos bancário, fiscal e telefônico quebrados. O Ministério Público também estuda pedir sua prisão temporária, a exemplo do que ocorreu com os outros seis petistas diretamente envolvidos no caso, embora a PF considere a medida inócua por enquanto.A participação de Lacerda na operação financeira do dossiê poderá ter implicações drásticas para o futuro do mandato do senador Aloizio Mercadante. É o que sugerem análises jurídicas que passaram a circular entre as lideranças do PSDB e do PFL.Segundo essas análises, por ser o responsável direto por tudo que ocorre na campanha, o candidato detentor de mandato se sujeita à perda dele por crime eleitoral e por quebra de decoro parlamentar, com pena de perda dos direitos políticos que pode chegar a 12 anos no caso de Mercadante.O rigor da justiça eleitoral nesses casos foi demonstrado no início deste ano com a cassação do mandato do senador João Capiberibe (PSB-AP), sob a acusação de ter comprado um voto por R$ 23 na campanha de 2002.Hamilton Lacerda era o coordenador de Comunicação da campanha de Mercadante ao governo de São Paulo até ser demitido depois de admitir a sua participação ativa no caso dossiê. A situação do senador agravou-se com a descoberta, pela Polícia Federal, de que foi Lacerda quem teria reunido o dinheiro e entregue as malas com R$ 1,7 milhão aos membros da campanha de reeleição do presidente Lula, Gedimar Passos e Valdebran Padilha, presos em um hotel paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.