Ladrão cola boca de vítima durante assalto a motel em SP

Numa ação inusitada, o ladrão e seqüestrador Sidney Evangelista dos Santos, 30 anos, o Negão, tentou colar com Superbonder a boca de duas recepcionistas do Motel Frenesi, no Jardim São Luiz, zona sul de São Paulo, para impedir que elas o denunciassem à polícia por assalto. Não adiantou nada, pois outros funcionários que assistiram às escondidas a invasão de Evangelista chamaram a Polícia Militar. Quando o criminoso deixava o estabelecimento com R$ 1.300 roubados do caixa foi preso em flagrante. Condenado a 14 anos e 11 meses de prisão por extorsão mediante seqüestro e roubo, Negão era procurado desde 31 de maio de 2004, quando escapou da carceragem do 27º DP (Campo Belo), numa suposta tentativa de resgate. Além da condenação, ele ainda responde a mais dois processos por seqüestro e roubo. Simulação Por volta das 3h15 desta manhã, o criminoso se aproximou a pé da portaria do motel. Simulando ser um cliente, perguntou os preços de apartamento. Quando as recepcionistas se distraíram para pegar os valores, o bandido pulou a janela da recepção e dominou as duas funcionárias, mantendo uma das mãos sob a camisa como se fosse uma arma. Em seguida, Evanegelista abriu o caixa e retirou o dinheiro. Para evitar que as moças chamassem a polícia, ele retirou uma cola Superbonder do bolso e passou nos lábios das vítimas e as trancou no banheiro. Quando deixou o motel, encontrou com os policiais militares acionados por outros funcionários do estabelecimento que perceberam a invasão do assaltante. Negão foi levado para o 92º DP (Parque Santo Antônio), onde foi autuado em flagrante por roubo pelo delegado plantonista Alfredo Pinto de Souza. O dinheiro foi recuperado e devolvido aos representantes do motel. De acordo com o delegado Archimedes Cassão Veras Júnior, titular do 92º DP, as funcionárias A.M.V. e M.A.S.S. foram levadas para o Hospital Municipal do Campo Limpo. As duas foram medicadas e liberadas, sem nenhum ferimento grave. Transferência Inicialmente havia notícia de que o criminoso estava acompanhado de uma mulher e outro comparsa, que teria conseguido fugir correndo em direção oposta à dos policiais militares que aguardavam na porta do motel. Entretanto essa informação não foi confirmada pelo delegado Veras Júnior. Negão foi transferido na tarde desta terça-feira da carceragem do 92º DP para o Centro de Detenção Provisória (CDP) 2 de Osasco, na Grande São Paulo.

Agencia Estado,

10 Abril 2007 | 19h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.