Ladrão de quadros de Picasso e Portinari é recapturado em Foz do Iguaçu

Homem está hospitalizado após ser baleado pela polícia em uma tentativa de fuga

Julio Cesar Lima, O Estado de S. Paulo

09 Maio 2013 | 23h14

CURITIBA – Está hospitalizado sob uma escolta policial em um hospital de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, Robson Jesus Jordão, o “Robinho”, que estava foragido da Penitenciária de Valparaíso (SP), onde cumpria pena pela co-autoria do roubo de dois quadros do pintor Portinari em 2007, no Museu de Artes de São Paulo (Masp). Robinho foi baleado em uma tentativa de fuga na manhã desta quinta-feira (9), quando era levado para a delegacia local.

Segundo o delegado da 6ª Subdivisão Policial, Getúlio de Moraes Vargas, ele estava usando identidade falsa. “Nós o prendemos dentro do quarto de um hotel da cidade, pois havia uma denúncia, ainda não comprovada, de que essa pessoa fazia tráfico de drogas do Paraguai para São Paulo; ele usava uma identidade com outro nome e depois viemos a reconhecê-lo como o autor dos roubos de quadros”, disse. A prisão de Robinho fez parte da Operação PC-27, que deteve mais oito traficantes em Foz, no estado elas totalizaram 313.

Segundo o delegado, o ladrão está sob a escolta dos policiais e depois responderá processo por corrupção ativa e falsidade ideológica. “A caminho da delegacia ele ofereceu dinheiro e, quando deixou a viatura saiu correndo e parou somente depois de ser atingido na perna, por isso está no hospital; logo depois ele foi reconhecido”, afirmou. Segundo Getúlio, foram feitos contatos com o Poder Judiciário paulista para que Robinho possa ser transferido.

Robinho furtou junto com outros dois ladrões, na madrugada de 20 de dezembro de 2007, os quadros “O Retrato de Suzanne Bloch” (1904), de Pablo Picasso, e o “Lavrador de Café” (1939), de Cândido Portinari, no Masp.

Vinte dias depois ele foi detido pela Interpol e os quadros foram recuperados. Em Valparaíso, cumpria pena de nove anos e seis meses.

Mais conteúdo sobre:
Roubo Obras de arte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.