Ladrões invadem prédio e levam R$ 1 milhão de empresário

O empresário Ricardo Silveira de Paula, um dos donos da Samcil, de assistência médica, e sua mulher, Salete Pessanha de Paula, foram acordados, no fim da madrugada desta segunda-feira, por dois homens com armas automáticas apontadas para suas cabeças. No quarto ao lado, outros dois bandidos mantinham como reféns dois filhos do casal e a empregada, Josefa Maria da Silva.O porteiro José Luiz, do prédio onde mora a família De Paula, na Avenida Portugal, em Santo André, no Grande ABC, estava na portaria com outros dois assaltantes. Os bandidos queriam que o dono da casa dissesse onde estavam os cofres. Sabiam da existência "de quatro cofres" com jóias e dinheiro.Segundo os policiais militares que estiveram no prédio, no fim da manhã, os ladrões teriam levado o que havia nos cofres, um total de R$ 1 milhão. Ao ser ouvido em seu apartamento, no começo da tarde, pelos policiais civis do 1.º Distrito, de Santo André, o empresário declarou que os ladrões tinham roubado relógios, pulseiras, anéis, correntes de ouro e brilhantes. Ficou de entregar na terça-feira a relação detalhada das jóias roubadas.Ele informou ainda que os assaltantes levaram R$ 15 mil em dinheiro, documentos de seus carros e pessoais, uma pistola Glock, dois carregadores e um revólver calibre 38.A polícia acredita que as informações sobre os cofres e os valores foram passadas aos ladrões por alguém que conhecia os hábitos dos moradores do apartamento. O assalto começou pouco antes das 5 horas. Josefa estava no ponto de ônibus, num bairro de Mauá, à espera da condução com destino a Santo André quando foi dominada por três homens e levada de carro para o prédio da Avenida Portugal. Na portaria, pouco depois das 5h30, ao vê-la com dois homens, o porteiro perguntou quem eram. Forçada pelos ladrões, ela os apresentou como seus sobrinhos, que iriam consertar um vazamento na cozinha.Os dois homens entraram com a empregada e foram para a guarita, onde dominaram o porteiro. Em seguida, outros cinco ladrões entraram no prédio. Quatro foram para o sexto andar com Josefa, que tinha as chaves da entrada de serviço do apartamento. Um deles estava com uma metralhadora. O empresário disse à polícia que ele e sua família não sofreram violência.Todos foram deixados amarrados. A polícia recebeu as fitas do circuito de tevê do prédio e espera identificar os ladrões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.