Ladrões roubam 50 cães de raça em Gravataí, no RS

Funcionários de canil municipal foram agredidos. Animais haviam sido resgatados de abrigo clandestino e valem até R$ 2 mil

Elder Ogliari, O Estado de S. Paulo

08 de julho de 2014 | 12h03

Atualizada às 19h20

PORTO ALEGRE - Uma quadrilha formada por pelo menos dez homens armados invadiu o Canil Municipal de Gravataí, agrediu funcionários, levou 50 cães de raça e soltou os demais animais, a maioria vira-latas, na madrugada de domingo, 6. Os animais haviam sido recolhidos pela Fundação Municipal de Meio Ambiente (FMMA) de um canil clandestino no dia 16 de junho e têm valor comercial que pode chegar a R$ 2 mil cada.
Funcionários da prefeitura acreditam que os ladrões conheciam o local porque, depois de render os vigilantes, foram diretamente às baias dos cães que queriam levar, das raças dobermann, yorkshire, dachshund, pug gog, chiuaua e lulu da pomerânia, entre outras. A maioria dos vira-latas soltos ficou no pátio e foi recuperada. Cinco deles saíram do local, que fica em zona rural, e estão sendo procurados em propriedades rurais da região.
Localizado em um sítio particular próximo da estrada ERS-020, o canil clandestino guardava cerca de 150 animais em condições precárias. No dia 16 de junho, o Grupamento Ambiental da Guarda Municipal e a FMMA cumpriram mandado de busca e apreensão expedido pela Justiça e recolheram os cães. Muitos deles foram encaminhados a clínicas para tratamento e uma parte foi alojada no canil municipal junto com animais recolhidos das ruas.
No dia 2 de julho, os proprietários assinaram um Termo de Ajustamento de Conduta com o Ministério Público se comprometendo a regularizar suas atividades em 60 dias e pagar o custo do tratamento dos cães internados em clínicas e a alimentação dos que estavam no canil.
Nem a polícia nem a prefeitura apontam eventuais suspeitos do roubo dos cães e até o final da tarde desta terça-feira não tinham pistas dos ladrões. O que se percebeu, segundo a diretora da FMMA, Cláudia Costa, é que eles sabiam onde estavam os animais que queriam.
Também chamou a atenção o planejamento da ação. Um integrante do grupo, usando colete idêntico ao dos policiais federais, se aproximou dos vigias. Logo depois, outros dez, armados, pularam a cerca, amarraram os dois funcionários e foram às baias onde estavam os cães recolhidos do canil clandestino. O bando fugiu em três carros.
A FMMA emitiu aviso à população advertindo que a aquisição ou mesmo a guarda dos animais roubados é considerada crime e pediu que pistas da localização dos cães sejam repassadas aos telefones 190, da Polícia, e 153, da Guarda Municipal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.