Ladrões roubam jóias do século 16 de igreja do Rio

Dois brincos e um colar trazidos para o Brasil no século 16, que adornavam a imagem de Santa Luzia, na igreja do mesmo nome, no Centro do Rio, foram roubados por três homens na madrugada de hoje. Além das jóias, os ladrões levaram cerca de R$ 10 mil e uma coroa de ouro de outra imagem. O roubo aconteceu horas depois de uma festa em comemoração ao Dia de Santa Luzia, protetora da visão.Para os funcionários, os invasores teriam entrado pela porta da torre, durante a festa, e permanecido escondidos até que todos fossem dormir. Por volta das 2h, dois homens armados renderam os sete funcionários, amordaçados e colocados em um quarto do lado de outro cômodo, onde dormia a vendedora de "santinhos" da igreja, Carmelita Martins dos Santos, de 72 anos. Eles disseram que, se ela acordasse, a matariam. Os assaltantes perguntaram quem estava com a chave do portão da igreja, porque queriam abri-lo para um terceiro assaltante entrar. Ele chegou com uma furadeira e arrombou o cofre, onde estavam a coroa, as jóias e o dinheiro. Antes de fugir, os bandidos ordenaram cerca de vinte minutos de silêncio aos funcionários para que a polícia não fosse avisada.Um funcionário, que pediu para não ser identificado, e que trabalha há 31 anos na igreja, disse que a quantia roubada era metade do dinheiro arrecadado, porque a outra parte já fora depositada no banco à tarde. Ele mostrou a porta da torre arrombada e contou que os bandidos não levaram algumas folhas de ouro, utilizadas para restaurações, que estavam no cofre. "Esse tipo de material não tem valor comercial", disse.Segundo ele, as jóias saíam do cofre apenas na comemoração do dia da padroeira da igreja. O funcionário disse que a região é muito perigosa e vários fiéis já foram assaltados. "Nós contratamos quinze seguranças para a festa, mas eles foram embora no final".Os funcionários rendidos pediram para não serem identificados, porque temem represálias. Eles disseram não poder reconhecer os assaltantes por causa da escuridão. "Os bandidos usavam luvas e estavam usando intercomunicadores. Um deles falava o tempo todo que eram eles dois e mais três do lado de fora", contou uma das vítimas.O padre Francisco de Alencar Arraes contou que a imagem da santa e as jóias haviam sido trazidas por Estácio de Sá, que fundou a cidade do Rio de Janeiro. "Acabou o respeito por tudo. Estou arrasado. É a primeira vez que isso acontece. Ninguém nunca sonhou com isso". Ele não soube dizer o valor material das jóias, mas ressaltou o valor sentimental delas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.