Ladrões são presos após tentar assaltar banco

Depois de um assalto frustrado a uma agência bancária em Nova Odessa, no interior de São Paulo, três homens trocaram tiros com a Polícia Militar durante perseguição pela rodovia Anhangüera e fizeram refém uma aposentada em Campinas. A polícia conseguiu prender os três assaltantes, que foram encaminhados para o Centro de Detenção Provisória do Complexo de Hortolândia.Valmiro Teixeira Xavier, Ulieuson Pereira da Silva e Fernando de Lopes, todos de São Paulo, tentaram assaltar uma agência bancária, mas não conseguiram ultrapassar a porta giratória porque o alarme disparou. Eles fugiram em um carro importando rumo à rodovia Anhangüera e foram perseguidos por policias.Um helicóptero da PM apoiou a perseguição, que continuou em Campinas. Durante todo o trajeto, os assaltantes atiraram contra os PMs e o helicóptero pelo teto solar do automóvel. Um policial que estava em uma viatura ficou ferido na mão. Os bandidos abandonaram o carro e cada um seguiu por um lado.A polícia deteve Xavier com uma pistola nove milímetros e uma maleta na qual foi estavam uma pistola 45, dois coletes da Polícia Civil, munição e três rádios de comunicação, um deles na freqüência da PM. Silva tentou se esconder em um ginásio de esportes, mas foi localizado e preso pelos policiais. Ele portava uma pistola nove milímetros.Lopes se escondeu atrás de uma árvore e disparou contra os policiais com uma metralhadora. Depois de alguns minutos atirando, o criminoso entrou na casa da aposentada Shirley Batista, que foi usada como escudo humano. As negociações duraram menos de dez minutos e o criminoso foi preso ainda dentro da residência.A operação de perseguição e captura dos três assaltantes mobilizou pelo menos 20 viaturas das polícias de Americana, Sumaré e Campinas. Os acusados foram indiciados por tentativa de assalto e resistência à prisão.

Agencia Estado,

05 de agosto de 2002 | 20h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.