Laudo aponta causa mortis da índia em São Sebastião

Asfixia mecânica por aspiração de líquido e queimaduras na pele. É o que consta no laudo do Instituto Médico Legal (IML) de São Sebastião, sobre a causa mortis da índia Ede Joventina Para Poty, de 79 anos.O resultado foi informado pelo representante da Funai (Fundação Nacional do Índio), em São Sebastião, Márcio Alvin do Nascimento. Ele acredita que a morte foi acidental. Para Nascimento, a asfixia foi causada por vômito e as queimaduras em razão de exposição excessiva ao sol. Declara que a índia também tinha queimaduras muito antigas provocadas pelo sol, há cerca de 25 anos.Nascimento supõe que a índia desmaiou e houve demora até ser socorrida porque a oca mais próxima a sua fica a cerca de 600 metros, na Reserva Indígena Ribeirão Silveiras, bairro Boracéia, entre as cidades de São Sebastião e Bertioga. Com queimaduras de terceiro grau pelo corpo, ela morreu ao ser atendida no Pronto-Socorro de Boiçucanga, em São Sebastião.A Polícia Civil investiga o caso. Nascimento também comunicou o assunto à Polícia Federal. O corpo de Ede será sepultado na Reserva Ribeirão Silveiras. Na área, de 48 hectares, vivem 330 índios guaranis. No ano passado, 18 crianças nasceram no local.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.