Laudo definitivo descarta morte de bebê por cocaína

A polícia civil de Taubaté descartou totalmente a possibilidade da menina Vitória Maria Iori Carvalho, de 1 ano e 3 meses, ter morrido de overdose de cocaína. A mãe dela, Daniele Toledo do Prado, foi presa acusada de entorpecer a própria filha e libertada 37 dias depois por falta de provas. Nesta sexta, o delegado seccional de Taubaté, Roberto Martins de Barros, apresentou os laudos definitivos sobre a substância encontrada na mamadeira da criança. Em um exame preliminar a cocaína na tampa da mamadeira e na boca da criança foi detectada. O laudo toxicológico das víceras, sangue e urina da criança mostram que Victória não sofreu overdose de cocaína. O exame é definitivo. Nos exames divulgados nesta sexta, Victória morreu por excesso de medicação. Ela ingeria, durante o tratamento, medicamentos tranqüilizantes e antidepressivos. "A quantidade tomada pela criança não sai neste exame. Haverá outros para se detectar a causa da morte", disse o delegado. A advogada de Daniele, Gladiwa Ribeiro, informou que vai pedir à Justiça o arquivamento do processo. Somente depois do processo arquivado é que ela deve ingressar com uma ação indenizatória contra o Estado.A ação, por danos morais e materiais, é principalmente pelo erro no teste preliminar, pela prisão indevida de Daniele e também por ela ter sido espancada por presas da cadeia de Pindamonhangaba. Daniele teve seqüelas nos olhos e no ouvido e ainda enfrenta preconceito nas ruas de Taubaté.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.