Laudo diz que não havia cocaína na mamadeira de bebê

O laudo definitivo do Instituto de Criminalística de São Paulo detectou ausência de cocaína na mamadeira tomada pela menina de 1 ano e 3 meses, que morreu vítima de convulsões e três paradas cardíacas em 29 de outubro, em Taubaté, no Vale do Paraíba.A presença da substância entorpecente foi levantada pelos médicos que atenderam a menina, no Pronto-Socorro Municipal de Taubaté. Um exame provisório, feito pela polícia na língua da criança, havia dado positivo para cocaína. A mãe, Daniele Toledo do Prado, 21 anos, foi presa em flagrante e denunciada pelo Ministério Público à Justiça. A denúncia foi aceita.No dia em que foi presa, Daniele foi espancada na Cadeia Feminina de Pindamonhangaba e teve uma caneta enfiada em seu ouvido. Depois foi transferida para uma cela separada do Presídio Feminino de Tremembé, onde está até agora.A advogada de Daniele, Gladiwa de Almeida Ribeiro, protocolou um pedido de habeas-corpus no Ministério Publico, na segunda-feira, pedindo a libertação de sua cliente. A Polícia Civil agora aguarda laudos do sangue, das vísceras e da urina da criança para determinar a causa da morte.Sem se identificar, uma mulher da família de Daniele disse que os parentes sempre acreditaram que ela não teria feito nada para a filha. "Ela não usava droga. Queremos descobrir também o que aconteceu. Daniele está com depressão depois que a filha morreu e perdeu boa parte da visão e do ouvido, depois de ter sido espancada na cadeia."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.