Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Laudo pericial confirma agressão à anciã

O laudo do Instituto de Criminalística (IC) de São José do Rio Preto, cidade a 450quilômetros da capital paulista, confirma a veracidade das imagens gravadas por umamicrocâmera instalada no banheiro da professora aposentada Luciana Aparecida VieiraPinto, de 92 anos.Ela morreu no último domingo, vítima de lesões cerebrais, supostamente cometidas por sua acompanhante Fátima Antônio, de 41 anos, queestá presa desde a última quarta-feira.O documento apresentado pelo IC contém 12 fotografias, das quais seis retratamcenas de violência. As imagens mostram uma mulher sacudindo a cabeça de Luciana, que estásentada numa cadeira de banho, com movimentos bruscos para a frente, contra aparede e para os lados, segurando-a pelos cabelos.De acordo com a delegada de Defesa da Mulher, Dálice Aparecida Ceron, 49 anos, asoutras seis fotos trazem imagens de hostilização, que têm maior impacto em vídeo, pelaviolência psicológica. "A foto não traz a dimensão real da situação", afirma."Já imaginou deixar quase meia hora uma pessoa com dificuldades para se movimentar seesforçando para tirar a calcinha?"Já o laudo do Instituto Médico-Legal (IML) conclui que Luciana sofreu traumatismo craniencefálico por instrumento contundente. "Pode ser martelo, pedaço de pau e até parede (imagens mostram sua cabeça sendo jogada contra a parede). Não é perfurante. Só causa contusão", afirma a delegada Dálice Ceron, que vem conduzindo os interrogatórios.Ela diz que os dois laudos serão acrescentados aos autos da investigação, já que são as provas materiais."Ela (Fátima Antônio) não conseguia se justificar. Dizia que estava muito nervosa e que fazia aquilo (deixava a idosa tentando tirar a roupa sozinha) para que a senhora se exercitasse."Fátima Antônio está presa na Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Rio Preto. Aprisão temporária da acompanhante foi decretada por 30 dias e pode ser prorrogada por mais 30 dias, dependendo do andamento das investigações.

Agencia Estado,

29 de novembro de 2002 | 20h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.