Laudo pode não desvendar morte de Fernando Dutra

De acordo com o diretor do Instituto-Médico Legal(IML) de São Paulo, José Jarjura Jorge, o laudosobre a morte do seqüestrador Fernando Dutra Pinto pode nãorevelar com precisão se houve envenenamento. Ele lembrou que oenvenenamento de uma pessoa pode ocorrer de diversas formas, porvia oral, através de líquidos ou alimentos, e por via sanguínea.Várias drogas podem alterar a fisiologia normal do organismo,que acaba entrando em colapso e levando a pessoa à morte. Em entrevista ao programa Bom Dia São Paulo, da TVGlobo, Jorge declarou que alguns fatos poderão contribuirnegativamente para a conclusão do caso. "No laudo, nósesperamos detectar tudo. Porém, temos um pequeno problema, poisFernando foi medicado, tomou drogas no hospital, antialérgicos,drogas para recuperação da parada cardíaca e tudo isso podeeventualmente mascarar alguma coisa. Eu não posso garantir agoraque nós vamos ter uma resposta precisa. A investigação dolegista é exatamente ir atrás da verdade para fornecer odiagnóstico".Jorge afirmou que a necropsia feita no corpo doseqüestrador revelou uma infecção generalizada, além de umagrande quantidade de pus no pulmão, infecção que abrangiainclusive a caixa torácica. O diretor do IML admitiu que, emboranão seja impossível, de fato é muito rara uma infecçãogeneralizada evoluir tão rapidamente num rapaz forte como eraFernando Dutra Pinto. "Nós notamos que ele estava em condiçõesfísicas muito boas, que ele tinha uma compleição física muitoforte e que eventualmente pode ter sido vítima de uma bactériamuito virulenta, uma bactéria muito importante, porque aevolução do quadro dele foi subaguda. Parece que começou após oNatal, depois piorou novamente. Não foi uma evolução muito aguda, em questão de horas, mas também não foi uma evolução crônica,de meses".O diretor do IML de São Paulo reafirmou que o corpo deFernando Dutra Pinto não tinha quaisquer tipos de marcas ouferimentos externos e que a parte interna também estavatotalmente íntegra, sem sinais de lesões. O laudo oficial deveráficar pronto em 20 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.