Divulgação/Ministério Público-PR
Divulgação/Ministério Público-PR

Laudo sobre morte de advogada no PR descarta impulso antes de queda

Tatiane Spitzner foi encontrada morta após cair do 4º andar do prédio onde morava com o marido, Luis Felipe Manvalier; ele está preso e nega crime

Julio Cesar Lima, Especial para O Estado

31 Agosto 2018 | 13h11

CURITIBA - Laudo da Polícia Científica do Paraná divulgado nesta quinta-feira, 30, aponta "desequilíbrio involuntário" ou "abandono de corpo inerte" no caso da morte da advogada Tatiane Spitzner. Segundo o documento, não houve nenhum tipo de impulso antes da queda. A advogada foi encontrada morta na madrugada de 22 de julho, após cair do 4.º andar do prédio onde morava em Guarapuava (PR) com o marido, Luis Felipe Manvailer. Ele é acusado de ter jogado a mulher do prédio e está preso. Imagens de câmeras de segurança do edifício mostraram Manvalier agredindo Tatiane pouco antes do corpo ser localizado. 

A Polícia Científica indicou as duas possibilidades para a queda - "desequilíbrio involuntário" ou "abandono de corpo inerte" - após realizar três testes no prédio onde o casal morava, entre eles uma reconstituição realizada com bonecos.  

Em nota, o Ministério Público do Paraná afirmou que o resultado da perícia confirma que Manvailer jogou Tatiane da sacada do apartamento, "cometendo o feminicídio". "A perícia comprova que a versão apresentada pelo acusado, de que a vítima se jogou, não condiz com a realidade dos fatos, sendo tal hipótese descartada pelo laudo pericial."

A defesa de Manvailer afirmou, também por meio de nota, "que vai aguardar a entrega dos laudos de necropsia e exame anatomopatológico para que se possa materialmente entender o que de fato ocorreu naquela madrugada".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.