Lavagem do Bonfim reúne mais de um milhão

A tradicional Lavagem do Bonfim atraiu mais de um milhão de pessoas à Cidade Baixa, num dia em que, oficialmente, não é feriado em Salvador, mas vale a falta ao trabalho para homenagear Nosso Senhor do Bonfim. Por volta das 10 horas, o cortejo de 250 baianas, tipicamente vestidas, e com potes de água de cheiro, deu início ao cortejo de oito quilômetros entre a Igreja da Conceição da Praia e a Basílica do Bonfim. Pouco antes ocorreu uma celebração ecumênica com representantes das igrejas Católica, Ortodoxa, Evangélica e do Candomblé. Todos pediram paz na festa.Com as baianas seguiram devotos, batuqueiros, foliões, políticos e até integrantes do Movimento dos Sem-Terra, que realizam encontro na capital baiana e aproveitaram para participar da festa. No Hospital Santo Antonio, das Obras Sociais de Irmã Dulce, situado no Largo de Roma, houve recolhimento de doações de alimentos, uma das inúmeras campanhas organizadas em função da festa.O cortejo das baianas chegou na Colina Sagrada às 12h50 iniciando a lavagem do adro e das escadarias da Igreja do Bonfim. Como ocorre todo ano, houve um grande tumulto provocado pela polícia militar e segurança das autoridades que procuram isolar o governador Paulo Souto (PFL) e o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) do povão. A festa nas barraquinhas de bebidas e comidas armadas na parte de baixo da colina do Bonfim, vai prosseguir até a madrugada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.