Lavrador não assume abusos nem paternidade de todos os filhos-netos

De acordo com a delegada, os exames de DNA de todas as crianças já foram solicitados e enviados para um laboratório

Solange Spigliatti, do estadão.com.br

15 de junho de 2010 | 09h12

SÃO PAULO - O lavrador José Agostinho Bispo Pereira, de 54 anos, preso em flagrante na última terça-feira, 8, em Pinheiro, no Maranhão, por abusar de duas filhas, não assumiu o estupro e nem sequer admite ser pai de todos os filhos/netos nascidos destas relações.

 

Segundo a delegada regional de Pinheiro, Laura Barbosa, durante depoimento feito na última sexta-feira, 11, Pereira confessou que mantinha relações sexuais com as filhas. Com a mais velha, Maria Sandra, de 31 anos, ele disse ter mantido relações quando a jovem tinha entre 12 e 15 anos, resultando em um filho, hoje com 14 anos. Em depoimento, Pereira disse que era provocado pela filha, que afirmou em depoimento que foi obrigada a manter relação sexual com o pai.

 

Em relação à paternidade dos filhos/neto, Pereira alegou que não é pai de todas as oito crianças. Segundo ele, o primeiro filho de Sandra Maria Monteiro, de 28 anos, abusada sexualmente e mantida por ele em cárcere privado por 16 anos, e com sete filhos desta relação, não seria dele. A filha nega.

 

De acordo com a delegada, os exames de DNA de todas as crianças já foram solicitados e enviados para um laboratório no Amapá. A delegada pediu urgência na conclusão dos laudos.

 

Pereira vai continuar preso na delegacia de Pinheiro até que o inquérito seja concluído, na próxima quinta-feira, 17, de acordo com a delegada. Segundo ela, a Justiça já pediu a prisão preventiva do acusado. O flagrante da prisão já foi homologado. Um laudo psicológico do lavrador também deve ser solicitado pela Polícia Civil.

Tudo o que sabemos sobre:
Maranhãocárcere privado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.