Lavrador se diz traído e queima família

O lavrador paraense Antônio dos Santos Aleixo, de 34 anos, residente em Paragominas, no leste do Estado, desconfiado de que sua mulher o traía com outro homem, atirou um galão de óleo diesel sobre os familiares que estavam em sua casa, banhou-se com o próprio combustível e em seguida ateou fogo em todos. A sogra de Aleixo, a dona de casa Maria Benta Martins dos Santos, de 45 anos, morreu na hora. Além de Aleixo, outras cinco pessoas, com diversas queimaduras pelo corpo, foram internadas em estado grave num hospital daquele município e depois transferidas para o pronto-socorro municipal, em Belém.A polícia de Paragominas abriu inquérito para apurar o caso, mas até agora só ouviu os vizinhos da família. Eles contaram que o lavrador comentava pela cidade que sua mulher, Maria Josineide Martins dos Santos, de 22 anos, tinha um caso com um homem cujo nome não revelou. Dizia que quando tivesse a prova definitiva da traição iria "fazer uma desgraça".Na noite de ontem, ele esperou que a família estivesse reunida na sala para aprontar sua vingança. Além de Aleixo e de sua mulher, estão internados em Belém a lavradora Núbia Ferreira da Silva, de 23 anos, Sílvio dos Santos Teixeira, 34, lavador de máquinas, e Fábio Ferreira da Silva, 20 anos, irmão de Núbia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.