Law Kin Chong é indiciado por quatro crimes

O empresário chinês naturalizado brasileiro Law Kin Chongfoi indiciado nesta terça-feira pela Polícia Federal por corrupção ativa, lavagemde dinheiro, crime contra o sistema financeiro e obstrução aostrabalhos da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pirataria. Lawe o despachante Pedro Aurélio Sarlo, que são acusados de tentarsubornar o deputado Luiz Antônio Medeiros (PL-SP), presidente da CPI,prestaram depoimentos nesta terça-feira, mas segundo o advogado Aldo Bonametti, que defende o empresário, ele iria falar em juízo. O interrogatório de Sarlo durou cerca de cinco horas, mas o conteúdo não foi divulgado pela Polícia Federal. Law Chong foi preso na semana passada, em São Paulo, e transferido para a superintendência da PF no Distrito Federal, onde deverá ficar até o final do mês. Considerado um dos maiores contrabandistas do País, o chinês domina o comércio de várias lojas em São Paulo. Na semana passada, ele tentou subornar Medeiros com R$ 1,5 milhão, mas as conversas foram gravadas pela própria CPI, que armou o flagrante que o levou para a prisão.A PF ainda está fazendo o levantamento sobre os bens de Law, masacredita que a maior parte deles, estão em nome de laranjas,principalmente imóveis, onde o empresário investe mais, segundoinvestigadores da PF que trabalham no caso. O inquérito que apura atentativa de suborno deverá ser concluído na sexta-feira, mas Lawdeverá continuar preso até o final de sua prisão preventiva. "Nãoexiste acusação contra o Law", afirmou Bonametti, antes do depoimentode seu cliente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.