Leandro de Itaquera vai mostrar beijo gay no sambódromo

Como fez em 2003, quando polemizou ao simular uma cena de sexo em seu carro abre-alas, a escola de samba Leandro de Itaquera, do carnavalesco Anderson Paulino, vai voltar a cutucar o folião mais conservador em São Paulo. O último carro da escola, que desfila com 3.500 componentes, vai apresentar um "beijaço" - termo usado pela comunidade GLBT (gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros) para definir o beijo-protesto contra o preconceito. "Não posso dizer ainda se o beijo vai ser entre dois homens ou duas mulheres, nem se os protagonistas são pessoas conhecidas do público", diz Paulino. "Vamos lavar a roupa suja do preconceito no Rio Tietê", diz o carnavalesco, que adianta que o "beijaço" não deve agredir a platéia e os telespectadores. "Os protagonistas estarão vestidos. Será algo respeitoso, pois sabemos que muitas crianças e idosos estarão assistindo." O enredo trata das grandes festas do Estado. O carro "A Maior Festa de São Paulo" levará ainda 20 go-go boys, travestis, militantes gays, apresentadores de tevê e capas da revista G Magazine. "A Parada do Orgulho Gay, que levou segundo os nossos cálculos 2,5 milhões de pessoas à Avenida Paulista em 2005, é uma festa onde reivindicamos nossos direitos, protestamos e nos divertimos. Queremos mostrar para a sociedade que queremos e precisamos ser respeitados. Acho que a Leandro de Itaquera está na vanguarda ao tratar do assunto em um evento dessa grandiosidade", diz Nelson Matias Pereira, presidente da Parada do Orgulho GLBT.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.