Lei aprovada no Senado proíbe corte de luz e água para inadimplentes de baixa renda

Proposta, que ainda vai passar pela Câmara, também beneficia casas de saúde e hospitais, escolas, presídios e centros de internação de menores

Ana Paula Scinocca, de O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2010 | 18h29

Projeto de lei aprovado nesta quarta-feira, 7, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado proíbe a interrupção abrupta do fornecimento de energia elétrica, água e outros serviços públicos, como telefonia, para famílias de baixa renda, casas de saúde e hospitais, escolas, presídios e centros de internação de menores, ainda que estejam inadimplentes.

 

A proposta é terminativa na Casa e segue agora para apreciação na Câmara. "É preciso a manutenção mínima das atividades realizadas e a saúde das pessoas atingidas", defendeu o senador Antônio Carlos Valadares (PSB-SE), autor do projeto.

 

"Não se pode admitir que a saúde pública seja colocada em risco em razão do corte abrupto de serviços púbicos, como os de fornecimento de água, energia elétrica e telefonia em relação à área da saúde e às instituições de ensino", emendou o relator da matéria, senador Romero Jucá (PMDB-RR). Em relação a todos os consumidores, explicou Valadares, a proposta torna obrigatória a notificação prévia - com pelo menos 30 dias de antecedência - do corte do serviço e o detalhamento ao consumidor do valor consolidado do débito, das parcelas que compõem a dívida.

 

"Também antes do corte será preciso oferecer ao usuário oportunidade de parcelar a dívida", disse Valadares. Valadares tentou ainda, pelo projeto, evitar que os inadimplentes tivessem seus nomes levados aos órgãos de proteção ao crédito. Mas Jucá, relator da proposta, recusou a proibição de registro, alegando que os cadastros de inadimplentes desempenham papel fundamental na proteção ao crédito. "Trata-se de mecanismo de grande importância para o desenvolvimento da economia do país", defendeu.

 

Ao recusar a tentativa de Valadares de evitar que as pessoas com débito tivessem seus nomes inclusos em serviços de proteção ao crédito, Jucá atendeu a uma observação, feita via emenda, do senador Delcídio Amaral (PT-MS), que justificou: "A inclusão de anotação de inadimplentes nos bancos de dados de proteção ao crédito visa proteger os futuros concedentes, evitando o aumento do risco de novo débito e contribuindo para a redução das taxas de juros e a corrosão do crédito em circulação do mercado nacional", escreveu o petista.

 

Atualizada às 20h09

Tudo o que sabemos sobre:
luzáguatelefoniaCCJSenadoCoongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.