Leilão de tanque de guerra é suspenso a pedido do Exército

O leilão de um tanque de guerra previsto para ocorrer nesta sexta-feira em São Paulo foi suspenso. A pedido do Exército, o equipamento está impedido de deixar o galpão onde se encontra, nas antigas instalações da fábrica Bernardini, no bairro do Ipiranga. O atual proprietário do tanque, que o arrematou em leilão judicial há alguns anos, após a falência da fabricante, estuda a possibilidade de doá-lo ao Exército. Já havia um lance pelo valor inicial do equipamento, de R$ 125 mil. O carro-de-combate, chamado Tamoyo III, foi desenvolvido pela empresa brasileira Bernardini na década de 80. Com a falência da fabricante, em 1995, foi parar na massa falida e acabou sendo adquirido em leilão judicial. Segundo Sérgio Pereira, depositário dos equipamentos da Bernardini, o proprietário do tanque, que pede para não ser identificado, "está propenso a doar o tanque ao Exército", após conferir se é verdadeira a história de que trata-se de um equipamento que faz parte da memória tecnológica brasileira, conforme definiu o pesquisador de assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora (MG), Expedito Carlos Stephani Bastos.

Agencia Estado,

02 Fevereiro 2007 | 14h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.