Leilão do Cordão do Bola Preta é adiado mais uma vez

Pela terceira vez, foi adiado por falta de compradores o leilão da sede do Cordão do Bola Preta, bloco que há 87 anos é referência no carnaval carioca. A dívida do clube é de R$ 1,6 milhão em condomínio e IPTU atrasados. O pregão foi remarcado para o dia 21.Caso seja vendido, o dinheiro usado para pagar o imóvel arrematado será revertido para o condomínio do Edifício Municipal, na Cinelândia. O Bola Preta possui toda a sobreloja e um grupo de salas no terceiro andar do prédio. Só o salão de festas, que ocupa toda a sobreloja, possui 835 metros quadrados. O imóvel está avaliado em R$ 974 mil.O vice-presidente social do Bola Preta, Pedro Ernesto Marinho, disse que o fato de o clube ainda não ter sido vendido "é mais uma esperança". Ele espera conseguir fechar uma parceria com uma empresa pública ou privada para quitar a dívida até a data do próximo leilão, quando o bem poderá ser arrematado por pelo menos 50% do que foi avaliado."Temos um déficit mensal de R$ 12 mil. O número de sócios caiu drasticamente. No início da década de 90 tínhamos 1.500 sócios, hoje são 70", disse ele. Desde 2003, quando foi transformado em patrimônio municipal, o Bola Preta está isento do pagamento de IPTU. Só de condomínio, no entanto, são R$ 10.500 por mês.A cantora Carmem Costa, de 86 anos, a primeira a gravar a marchinha mais famosa do Bola, assistiu ao leilão e lamentou o destino do bloco: "Parece até que não foi abençoado".No Carnaval deste ano, o Bola Preta arrastou um público recorde de 200 mil pessoas, coroando a retomada da folia de rua carioca. O bloco abre os festejos de Momo desfilando sempre no sábado de manhã.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.