Lembo afirma que situação em SP começa a se tranqüilizar

O governador de São Paulo, Cláudio Lembo, disse que a situação de violência no Estado começa a se tranqüilizar, especialmente devido às atitudes firmes com relação aos presídios, foco de todo o problema. Ele ressaltou que nesse fim de semana houve atos criminosos no interior de São Paulo, felizmente sem mortes. Afirmou também que em São Sebastião houve apenas um problema local e isolado.Lembo teve um encontro na tarde desta segunda com o comandante militar da região Sudeste, general Luiz Edmundo Carvalho. A reunião, disse, foi apenas para troca de informações, pois não existe a intenção de usar o Exército na capital ou no interior do Estado. Ele reafirmou que também não pretende pedir a presença da Força Nacional de Segurança."As forças de segurança do Estado têm 114 mil homens, 87 mil só da PM. A Força Nacional teria dez mil homens e o Exército chegaria no máximo a isso. Como a PM cobre bem o Estado, não há necessidade", disse o governador. "Não há rejeição ou soberba. Apenas uma reação lógica, pois uma atuação conjunta de todas as forças só iria criar uma situação difícil entre elas. No entanto, estou em contato constante com o ministro da Justiça e com os chefes das Forças Armadas no Estado."O governador recusou-se a comentar as conseqüências eleitorais dos acontecimentos dos últimos meses. "Só em 2 de outubro serei capaz de opinar coisa sobre isso."Lembo visitou o Rio para a posse do cineasta Nelson Pereira dos Santos da Academia Brasileira de Letras, que nasceu em São Paulo, mas vive desde a juventude no Rio. Ele fez um comentário sobre o preço do fardão, pago pelo governo do Estado. "É uma honra para nós Nelson estar na academia, mas o fardão é muito caro", brincou, sem informar o valor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.