Lembo e deputados federais rejeitam pacote de segurança

O governador de São Paulo, Cláudio Lembo, e deputados federais, que representam o Estado na Câmara, decidiram em uma reunião realizada na manhã desta segunda-feira, 17, no Palácio dos Bandeirantes, rejeitar a proposta de se criar um pacote de leis relacionadas à área de segurança pública. No encontro, que contou com representantes dos principais partidos políticos do país, ficou acertado que uma iniciativa como essa seria mais prejudicial do que favorável para solucionar a crise de violência que atinge o Estado de São Paulo."Este pacote de leis não deve ser analisado com pressa e muito menos votado com precipitação", disse Lembo em entrevista coletiva concedida ao lado da deputada Luiza Erundina (PSB), que tomou a iniciativa de reunir representantes da bancada federal em torno do assunto. Neste encontro estiveram presentes também José Eduardo Cardoso (PT), Alberto Goldman (PSDB), Michel Temer (PMDB), entre outros."Ele (este pacote) deve ser analisado com o bom senso que exige a legislação penal. A legislação penal não é legislação de emergência", acrescentou Lembo. Erundina emendou alegando que esta posição encontrou consenso entre todos os parlamentares presentes ao encontro. "Nós entendemos que não faltam leis, faltam condições objetivas para que as leis que estão aí sejam devidamente aplicadas". Na avaliação da deputada, estratégias como essa nunca foram positivas em uma situação de crise. "Nós vamos ver o que é possível. Não mais uma lei, uma tentativa de montar pacotes, isso nunca deu certo e nunca foi uma resposta efetiva e eficaz a um problema como este".Apoio a LemboA reunião também serviu para manifestar o apoio dos parlamentares paulistas à forma como o governador Cláudio Lembo vem conduzindo a questão da violência. Uma das sugestões apresentadas no encontro foi a de criar uma comissão parlamentar para manter um debate constante com o governo paulista em torno deste tema. Segundo Erundina, a idéia é pedir a todos os partidos que indiquem um representante para integrar o grupo.Apesar de a grande maioria dos temas ter encontrado consenso, pelo menos um deles foi assunto para discussão. O deputado Jamil Murad (PCdoB) insistiu ao longo da reunião em pedir a demissão do Secretário da Segurança Pública, Saulo de Castro. No entanto, diversos parlamentares afirmaram que esta foi uma colocação pessoal e não endossada pelo restante do grupo. Os deputados também aproveitaram para defender a idéia de não politizar a crise de violência em São Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.