Lembo garante Saulo na Secretaria de Segurança Pública

O governador Cláudio Lembo (PFL) garantiu nesta terça-feira, 13, a manutenção do secretário da Segurança Pública Saulo Abreu até o final de sua gestão, ao contrário do que pretendem entidades de defesa dos direitos humanos. "Essas entidades têm todo o direito, quase a obrigação de fazer uma fiscalização de todos os atos do Estado, mas devo dizer também que o secretário permanecerá até o fim do governo". E elogiou Abreu: "ele demonstrou muita coragem e foi destemido naqueles dias tão difíceis e tenho um grande respeito administrativo e pessoal pelo secretário".Sobre o relatório divulgado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) ontem, revelando o número de 419 mortes por arma de fogo entre 12 e 20 de maio, Cláudio Lembo disse que a entidade tomou "um cenário muito amplo e aí nós temos toda a criminalidade de São Paulo que é, lamentavelmente, contínua". O governador revelou que "cada um dos laudos será objeto de inquérito policial e cada inquérito policial será objeto de um processo crime. Só no final eu poderia responder com convicção se houve excesso. Hoje tenho de aguardar o devido processo legal, que é próprio da democracia e do estado de direito".Lembo defendeu também o secretário-adjunto da Administração Penitenciária, Lourival Gomes, que vem sendo criticado por maus tratos impostos aos presidiários no passado. "Antes de indicá-lo, examinei essa situação e constatei que não havia nada na vida dele. Houve, na verdade, uma CPI da Assembléia Legislativa de São Paulo em 1985 e ele não teve nenhum problema nessa comissão", disse o governador, lembrando que Gomes foi secretário adjunto de Belisário Gomes na mesma pasta, "um secretário que se preocupava muito com direitos humanos e cuja administração não deixou nenhuma marca, nenhuma seqüela". E completou: "aí, tive a convicção de que ele era um bom homem".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.