Lembo ironiza atuação da Força Nacional em São Paulo

O governador de São Paulo Cláudio Lembo (PFL) ironizou a atuação da Força Nacional no Estado nesta terça-feira, 11, durante a inauguração do Centro de Integração da Cidadania (CIC), no bairro Vida Nova, em Campinas, a 100 quilômetros de São Paulo. Ele disse que a polícia paulista é auto-suficiente e está preparada para conter a onda de violência dentro e fora dos presídios. "A Policia Militar é mais qualificada", disse ele, um pouco irritado. "Todo mundo vem aprender com os nossos policiais aqui em São Paulo porque somos bons, somos muito bons mesmo", afirmou Lembo."A Força Nacional entrou em atividade há um ou dois meses. A nossa polícia tem 161 anos, 81 mil homens e a nacional tem 280 soldados para uma situação de 40 milhões de habitantes", justificou o governador, após a inauguração.Um pouco tenso e nervoso, o governador afirmou que já aceitou a ajuda de equipamentos, trabalho de investigação e informativo do governo federal. "No momento é desnecessário (a Força Nacional) em São Paulo. Se a Força Nacional é preparada ou não será preciso perguntar aos governadores do Espírito Santo e de Mato Grosso do Sul, onde há uma única penitenciária. Nos temos 114 presídios e 52% dos presos brasileiros", salientou o governador, quando questionado se a Força Nacional estaria despreparada para conter a ação do crime organizado na capital paulista e no interior. AgentesLembo lamentou as mortes dos agentes penitenciários como "uma situação dramática, temos sofrido muito", acrescentando que nenhum detento "foi morto, graças a Deus, como em anos anteriores".Sobre a eficiência do serviço disque-denúncia entre a polícia e os funcionários dos presídios, anunciado na segunda-feira, 10, o governador frisou que "todos estamos em risco" e sujeitos a ser pegos de surpresa. "Só se eu fosse mágico ou profeta para saber com antecedência dos ataques. Mas garanto: hoje está tudo sob controle".Araraquara"Aquelas cenas no pátio da penitenciária de Araraquara foram encenadas por um grupo de presos com a proximidade do helicóptero", relatou o governador Lembo, sobre as fotografias e imagens de TV dos detentos na imprensa. Segundo ele, essa penitenciária, cujo padrão é de primeiro mundo, com estrutura tecnológica e eletrônica de funcionamento, está destruída "mas ainda mantém o mínimo de conforto". O governador prevê que o Estado gaste um pouco mais de R$ 110 milhões para recuperar os presídios danificados até o final de seu mandato, em dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.