Lembo se reúne com Thomaz Bastos após nova onda de violência

O ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos, o governador Cláudio Lembo e o procurador geral Rodrigo Pinho não falaram com a imprensa após se reunirem no Ministério Público Estadual nesta segunda-feira, 7. A reunião durou menos de uma hora.Antes da chegada do ministro e do governador, o procurador geral Rodrigo Pinho declarou que considera o ataque ao Ministério Público Estadual, ocorrido nesta madrugada, uma reação ao trabalho dos promotores contra a facção criminosa Primeiro Comando da Capital e afirmou que eles não serão intimidados. O procurador defendeu maior rigor penal para o crime organizado e disse acreditar que este é o momento para realizar as "mudanças necessárias na lei penal".Antes do encontro, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirmou que pretende reiterar a oferta de tropas federais e de vagas no Presídio Federal de Catanduvas ao governado Lembo. Segundo a reportagem da Rádio Eldorado, o ministro cancelou sua agenda para permanecer na capital paulista, diante dos ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC) ocorridos durante a madrugada.O ministro deu a entender que se o governo de São Paulo tivesse aceitado as tropas federais, os ataques desta madrugada não teriam acontecido. Bastos enfatizou que a questão da segurança deve ser tratada de forma diferenciada, longe das disputas eleitorais.VerbaO ministro eximiu-se de responder sobre uma possível falha na inteligência, afirmando que a integração entre as inteligências do Estado e da União ainda está em processo e garantiu que quando estiver concluído, vai funcionar. Sobre os R$ 100 milhões liberados do Fundo Nacional Penitenciário para Secretaria Estadual da Administração Penitenciária do Estado de São Paulo, e ainda não utilizados, o ministro culpou a Secretaria por não haver apresentado projeto algum para o emprego da verba.O ministro encerrou a entrevista dizendo-se "amedrontado, assim como os demais paulistas" com a nova onda de ataques. O ministro havia ministrado a palestra de abertura da semana jurídica das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), antes de seguir para o Ministério Público Estadual.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.