Lentidão da Justiça provocou conflito por terra

O Ministério do Desenvolvimento Agrário atribuiu à lentidão da Justiça os conflitos ocorridos na Fazenda Santa Rita, no Pontal do Paranapanema, em São Paulo.No último sábado, José Rainha, um dos líderes do Movimento dos Sem-Terra (MST), levou dois tiros no ombro ao deixar a propriedade. A fazenda havia sido invadida por cerca de 200 famílias ligadas ao movimento rural.Mesmo com a desapropriação em 1998, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) não obteve a posse da fazenda.O governo já depositou em juízo R$ 1,9 milhão pelos 2.295 hectares da propriedade e outros R$ 604,2 mil pelas benfeitorias existentes na fazenda. "A Justiça vem retardando a posse da área", criticou o presidente do Incra, Sebastião Azevedo. "Nesses casos, não é costume tanta demora." O atentado contra José Rainha foi atribuído ao fazendeiro Roberto Junqueira, irmão da antiga proprietária da Fazenda Santa Rita, Yone Junqueira. O fazendeiro foi preso neste domingo pela Polícia Federal.Assessores do Ministério do Desenvolvimento Agrário informaram que o líder do MST não pediu proteção especial pelo fato de Roberto Junqueira ter sido preso. Agentes da Polícia Federal continuam na região apurando as circunstâncias da tentativa de assassinato.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.