Leões do zoo carioca tiveram de fazer dieta

O atraso no pagamento de fornecedores de alimentos para o Zoológico do Rio obrigou os veterinários a escolher entre os bichos que receberiam frutas, carne, peixe - os mais debilitados ou doentes - e aqueles que teriam de passar à base de ração. A falta de alimento fez com que alguns animais, como os leões, deixassem de receber toda a sua porção de carne, que foi destinada a outros animais. O presidente da Fundação Rio Zoo, Márcio Martins, informou que o problema ocorreu na mudança de governo - após a posse do prefeito César Maia -, quando o orçamento foi suspenso para a verificação de contas. Nesta sexta-feira, o "Diário Oficial do Município" publicou a autorização para o pagamento de fornecedores, o que deve solucionar o problema. O drama dos animais foi grave durante 15 dias, em janeiro. A zootecnista Ana Raquel Faria, responsável pela nutrição dos bichos, precisou improvisar.Ela introduziu a ração (produto cuja distribuição não foi afetada) para animais acostumados a outros alimentos, como os tucanos, que só recebiam frutas, verduras e legumes. Alguns leões estavam acima do peso e entraram na dieta: o excedente da carne deles foi distribuída para outros carnívoros. Os primatas tiveram a porção de ração aumentada. Márcio Martins nega que a situação tenha sido desesperadora. A creche - onde vivem os filhotes órfãos, rejeitados, ou doentes - ficou de fora da crise. O zoo mantém farto estoque de leite em pó, único alimento dos bichinhos. Os leões, mesmo em dieta, puderam alimentar-se das presas vivas, criadas no biotério do zoológico. Mas a ida de novos animais para o zoo foi vetada nesse período de racionamento. Além da "adoção" de alguns animais por empresas, a Fundação Rio Zoo tem verba própria, arrecadada com a venda de ingressos. "Ainda recebemos doação de ração da Universidade Federal Rural do Rio", afirmou Martins."Nenhum animal passou fome e eu jamais permitiria que isso acontecesse. Na verdade, a retaliação de alguns fornecedores só significou aumento de trabalho".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.