Liberados 11 imóveis lacrados desde o acidente com Airbus

Subprefeitura vai inspecionar mais 15 locais hoje; vizinhos tentam retomar rotina após implosão

Marcela Spinosa, O Estadao de S.Paulo

07 de agosto de 2007 | 00h00

Enquanto o trânsito volta ao normal no sentido centro-bairro da Avenida Washington Luís, zona sul, quem mora ou trabalha no quarteirão onde ficava o prédio da TAM Express, implodido anteontem, tenta retomar a rotina. A Subprefeitura de Santo Amaro entregou a proprietários laudos de desinterdição de 11 imóveis, lacrados desde o acidente com o Airbus A320 da TAM, no dia 17.A subprefeitura retificou o número de imóveis interditados em virtude da tragédia, dos 22 divulgados inicialmente para 28. Ontem os funcionários da Arcoenge - empresa contratada pela TAM para fazer a implosão - começaram a limpar o terreno. Os técnicos da subprefeitura afirmaram que 2 imóveis estão sob observação. Outros 15 serão vistoriados hoje, entre eles as três casas que tiveram a parte dos fundos destruída pela implosão. Dois dos imóveis são do empresário Marcelo Chechide, de 50 anos, e estavam alugados para empresas. ''''O que menos me importa é a parte material'''', afirmou o empresário, sobre a desapropriação da área para a construção de um memorial em homenagem às vítimas.Após 20 dias sem trabalhar, Rubens Gavim, de 51 anos, dono de uma loja na Rua Otávio Tarquínio de Souza, retomou ontem as atividades. ''''A gente tenta fazer com que a vida volte ao normal. É muito difícil.'''' O comerciante Rafael Sebode, de 21, também teve a casa liberada. Desde o acidente, ele estava num hotel. ''''A vida não volta ao normal, mas o medo predomina. Não sei como vai ser dormir aqui no primeiro dia'''', afirmou Sebode.O trânsito nas Ruas Barão de Saruí e Baronesa de Bela Vista foi liberado ontem. Uma das faixas da Rua Otávio Tarquínio ainda ficará bloqueada. Nas ruas, flores lembram as vítimas do acidente.Ontem, a Infraero iniciou a recuperação do talude ao lado da cabeceira da pista principal de Congonhas, afetado por um deslizamento no dia 23. A previsão é de que a obra dure 60 dias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.