Liberdade de Suzane depende de perfil no Twitter

Investigação de site faz Justiça paralisar o pedido de progressão para o regime semiaberto

Priscila Trindade e William Glauber, O Estadao de S.Paulo

13 Agosto 2009 | 00h00

A Justiça de São Paulo suspendeu ontem o andamento do processo de progressão de regime fechado para semiaberto de Suzane von Richthofen. De acordo com informações do Tribunal de Justiça paulista, a decisão sobre o benefício somente sairá após a investigação sobre um suposto perfil da condenada no microblog Twitter, revelado em reportagem publicada na edição de anteontem do Estado. Suzane cumpre pena de 38 anos na Penitenciária Feminina de Tremembé pelo assassinato dos pais, em 2002.Caso seja comprovada a existência de um vínculo entre Suzane e o mundo externo, ela pode perder o benefício de regime condicional e semiaberto. Anteontem, a página no site de relacionamentos foi retirada da internet. Na segunda-feira, o promotor de Execuções Criminais de Taubaté Paulo José de Palma havia solicitado investigação sobre a autenticidade do perfil de Suzane à Corregedoria dos Presídios de São Paulo.A juíza da 1ª Vara de Execuções Criminais de Taubaté, Suely Zeraick Oliveira Armani de Menezes, responsável por supervisionar a apuração da denúncia, devolveu ontem o processo ao cartório, segundo o advogado de defesa Denivaldo Barni Júnior. Ele esteve ontem pela manhã no Fórum de Taubaté para protocolar uma petição para cobrar uma investigação do caso."Tenho interesse nessa investigação. Queremos a apuração civil e criminal para descobrir o responsável por esse conteúdo." Reportagem do BandCidade, da Band Vale, informou que ontem foi realizada uma varredura em todas as celas do presídio de Tremembé e nada foi encontrado que responsabilizasse Suzane pela publicação das postagens no Twitter.Ontem à noite, Barni Júnior disse que ainda não havia tomado conhecimento formal da decisão da Justiça sobre a suspensão do processo de progressão de regime de Suzane. "Soube dessa decisão pela imprensa. Não sei qual o conteúdo, o que foi decidido", disse. O advogado afirmou não temer um atraso na concessão do benefício a Suzane por causa das investigações sobre o perfil no site. "A Justiça vai ser breve", disse, demonstrando otimismo. A primeira mensagem supostamente postada por Suzane foi no dia 2 deste mês, em twitter.com/surichthofen. No total, foram publicadas 55 postagens, com uma média de quase 7 por dia. No site, Suzane teria publicado diálogos com seguidores e mensagens de agradecimentos aos advogados. Há também uma frase que Suzane costuma dizer em entrevistas: "só devo à Justiça e não à sociedade". A página do Twitter da presa tinha 315 seguidores.ORKUTPara embasar a solicitação de investigação do episódio atual, Palma lembrou que, em setembro de 2006, Suzane foi transferida do Centro de Ressocialização de Rio Claro, numa punição por ter recebido regalias como o uso de computadores e o acesso ao site Orkut.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.