Libertado filho de empresário na Praia Grande

Policiais militares libertaram em Praia Grande, litoral sul de São Paulo, o filho do proprietário de uma construtora na cidade. O rapaz foi seqüestrado pela segunda vez. Em 2001, ele já havia sido vítima dos criminosos. O jovem, um comerciante de 22 anos, não sofreu ferimentos, mas foi ameaçado pelos seqüestradores. Ele foi encontrado amarrado e amordaçado numa casa em construção, no Jardim Melvi. Um suspeito de envolvimento no crime acabou preso. A polícia chegou ao cativeiro depois de receber denúncia anônima pelo telefone 190. O ajudante de pedreiro Paul Henrique de Souza, de 26 anos, estava em frente à casa. Ele tentou fugir ao ver os soldados, mas acabou detido. Em poder dele foi encontrado um revólver calibre 22. Souza já tem passagens pela polícia e era foragido do Centro de Progressão Penitenciária de Mongaguá (regime semi-aberto).De acordo com o boletim de ocorrência, o acusado teria tentado subornar os policiais no momento da prisão, oferecendo o revólver que portava e a quantia de R$ 5 mil. Souza deve responder pelos crimes de extorsão mediante seqüestro, corrupção ativa e porte ilegal de arma. O comerciante foi seqüestrado na Vila Mirim. O rapaz estava entrando numa obra do pai, que é construtor, quando foi rendido por um homem armado. A vítima foi levada para uma casa em construção, na esquina da Travessa 8 com Rua Nossa Senhora do Monte Serrat, no Jardim Melvi. Lá, permaneceu amarrada e amordaçada em um dos cômodos até a chegada da polícia.

Agencia Estado,

07 de junho de 2004 | 09h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.