Licenças ambientais serão o grande desafio para trem-bala

Mesmo sem ter ouvido ainda todas as reclamações das prefeituras e longe de saber o percurso do trem de alta velocidade que será realmente adotado, a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) já contratou o Estudo e o Relatório de Impacto Ambiental (Eia-Rima) para acelerar a obtenção de todas as licenças ambientais das obras. Segundo ambientalistas, os entraves não serão poucos. De Campinas ao Rio, o trem-bala cortaria no mínimo 840 hectares de matas - equivalentes a 780 campos de futebol. Para se ter uma ideia, a construção do Trecho Sul do Rodoanel desmatou 212 hectares de vegetação. Para entender os possíveis impactos do projeto, o Estado mapeou todos os entraves para a construção do TAV que também ligará em 2h33 os centros de Campinas e Rio. Pelo que hoje se propõe, haverá a desapropriação de mais de 600 imóveis, problemas com barulho e poluição visual pela instalação de cercas, desafios de engenharia e impactos diretos em áreas de proteção ambiental, entre outros desafios. Confira nessas duas páginas todos os obstáculos para o trem-bala realmente sair do papel e transportar diariamente paulistas e fluminenses.

Eduardo Reina, Rodrigo Brancatelli e Felipe Werneck, O Estadao de S.Paulo

23 Agosto 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.