Licitação do Expresso Aeroporto deve sair em setembro

Caso isso ocorra, obra do transporte que liga centro a Cumbica começa em março

Agencia Estado

04 Julho 2007 | 17h29

A licitação para o projeto ferroviário Expresso Aeroporto, que vai ligar o centro de São Paulo ao Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, está em processo de formatação e pode sair em setembro deste ano. A informação foi dada na tarde desta terça-feira, 3, pelo secretário estadual de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, após apresentar o pacote de projetos de sua pasta, até o ano de 2010, avaliados em R$ 16 bilhões.Caso a licitação do Expresso Aeroporto saia mesmo em setembro, Portella disse que as obras poderão ser iniciadas em março do ano que vem. O secretário informou ainda que entre as empresas interessadas no projeto está a Italplan, empresa italiana que elabora o projeto do trem-bala que pretende fazer a ligação entre Rio de Janeiro e São Paulo.No entanto, Portella foi bastante cético sobre o trem-bala. "Este é um projeto que não pára em pé", fulminou. Na sua avaliação, é muito difícil encontrar viabilidade econômica para um projeto estimado em R$ 27 bilhões, que fará a ligação, sem interrupção, em um trem de alta velocidade entre São Paulo e Rio.PPPNa apresentação do pacote de R$ 16 bilhões, feita na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), para uma platéia formada em sua maioria por investidores, o secretário destacou que o Estado conta com a parceria do setor privado. "Se não tiver PPP (parceria público-privada), o projeto (do Expresso Aeroporto) não fica em pé", declarou.De acordo com ele, o governo não tem recursos para todo este volume de investimentos e o setor privado também não. Por isso, disse que é preciso fazer "um casamento perfeito" entre governo e iniciativa privada para tornar realidade estes empreendimentos.Ainda sobre o Expresso Aeroporto, o secretário destacou que o governo de São Paulo espera o apoio financeiro e político da Empresa Brasileira de Infra-estrutura Aeroportuária (Infraero), estatal que administra os aeroportos. Segundo ele, as conversas com a empresa não estão caminhando porque ela está enfrentando muitos problemas no momento, em referência ao caos do setor aéreo.Mas adiantou que os recursos que a Infraero deverá alocar no Expresso Aeroporto são da ordem de R$ 200 milhões, que devem ser utilizados basicamente na construção do terminal de chegada do Expresso em Cumbica.ApoioEm entrevista coletiva concedida após a apresentação desses projetos, Portella afirmou que gostaria do apoio não apenas do empresários, mas também dos trabalhadores, dos sindicatos e de toda a sociedade. "A adesão a esses projetos não deve ser apenas financeira", emendou. O presidente da Fiesp, Paulo Skaf, também disse que é necessário um esforço conjunto para que essas obras virem realidade.Do total dos projetos apresentados, R$ 9,8 bilhões são referentes ao Metrô, R$ 5,9 bilhões são em obras da CPTM e R$ 1,2 bilhão da EMTU. Do total previsto - R$ 16 bilhões -, R$ 6,5 bilhões, ou 40%, são provenientes de recursos do orçamento do governo do Estado. A maior parte depende de financiamento externo e PPPs.O montante previsto em financiamentos externos soma R$ 5,3 bilhões e para as PPPs, o volume previsto é de R$ 3,78 bilhões. Ou seja, do projeto total apresentado pelo secretário, 56% dependem de financiamento externo e de PPPs. Ao apresentar esses números, o secretário reconheceu: "O duro é fazer".

Mais conteúdo sobre:
Expresso aeroporto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.