Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Licitação para transporte atrai só empresas de São Paulo

Só empresários que já atuam em São Paulo entregaram propostas para a licitação do novo sistema de transporte coletivo, que deverá entrar em funcionamento no segundo semestre. Os envelopes com a documentação dos concorrentes foram abertos nesta quarta-feira pelo secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto.A prefeita Marta Suplicy trava uma queda-de-braço com empresários e disse que gostaria de substituí-los por grupos de outros Estados. Mas, se a concorrência acabasse nesta quarta, por exemplo, um dos operadores mais tradicionais da capital, José Ruas, estaria presente em cinco dos oito lotes licitados, conforme apurou o Estado.Em cinco dias será publicada no Diário Oficial a lista das viações habilitadas. Haverá dez dias para recursos e só então serão abertos os envelopes com as propostas comerciais. Nesta quinta vão ser abertos envelopes com propostas dos operadores autônomos (microônibus e ônibus bairro-a-bairro) que assumirão linhas locais no novo sistema.O Estado apurou que, nos oito lotes, a secretaria recebeu nove propostas. O Lote 1 tem como interessado o Consórcio Bandeirantes, das empresas Santa Brígida, Gato Preto e Viação Andressa. No Lote 2, a proposta foi feita pela Viação Sambaíba, do empresário Belarmino Marta, que na semana passada entrou com liminar para impedir o andamento da licitação.O primeiro-vice-presidente do Tribunal de Justiça (TJ), Denser de Sá, indeferiu nesta quarta o pedido de liminar. A proposta para o Lote 3 partiu do Consórcio Plus, das Viações Expandir e Vip, ambas do Grupo Ruas. No Lote 4, o interessado é o Consórcio Bus Transportes Urbanos, formado pelas empresas América do Sul - que enfrenta problemas com o Ministério Público do Trabalho -, Expresso Paulistano e Trollebus Aricanduva.O Lote 5 foi o único a receber duas propostas: da Via Sul, também do Grupo Ruas, e do Consórcio Audy, formado pelas empresas King e Solucion Bus, do empresário Jorge Nakano, que opera no atual sistema. A proposta para o Lote 6 é encabeçada pelo Consórcio Unisul, formado pela Viação Paratodos, pela Viação Tupi - do presidente do sindicato das empresas (Transurb), Sergio Pavani -, a Vip e a Bola Branca, do Grupo Ruas. No Lote 7, só a Vip apresentou proposta.No 8, a proposta partiu do Consórcio Sudoeste de Transporte, formado pelas Viações Villa-Lobos (ligada ao Grupo Ruas), Osasco, Gato Preto e Oak Tree. Segundo Tatto, a licitação permitirá a grupos menores aumentar seu poder no sistema. "O mais importante é que quem apresentou propostas está concordando com o novo modelo. Eles falaram que não iriam participar e participaram. A vida é uma surpresa."Na terça-feira, Tatto se reunirá com o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Carlos Lessa. Ele quer R$ 500 milhões para construir terminais e corredores de ônibus.

Agencia Estado,

05 de março de 2003 | 22h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.