Líder de torcida é preso por tráfico em Campinas

A Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes de Campinas (Dise) prendeu cinco pessoas acusadas de tráfico de drogas, inclusive o conselheiro e presidente da Torcida Jovem da Ponte Preta, Romildo dos Santos, conhecido como Carioca. Segundo o delegado da Dise, Marcos Casseb, a quadrilha vinha sendo investigada há dois meses. Santos, sua mulher Isabel Rodrigues Fortes, Edna Helena Silva Cairus, os irmãos Anderson Rodrigo de Almeida e Alexandre Luiz Dias foram presos em flagrante por volta das 20h30 de ontem, na Rodovia dos Bandeirantes, em Campinas. Com eles, a polícia apreendeu 33 quilos de maconha. Casseb contou que os cinco suspeitos moravam no bairro de Jardim Tupi e forneciam entorpecentes a pequenos traficantes do Jardim São Fernando, reduto de tráfico em Campinas, onde morou Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, preso em Taubaté. O delegado comentou, porém, que não há indícios de vínculo entre os cinco acusados e o seqüestrador. De acordo com Casseb, Santos e um homem conhecido como ?Purga?, morto em um acidente de trânsito há alguns meses, tinham ligação com traficantes do Morro da Rocinha, no Rio de Janeiro. A Dise apurou que Purga deixou uma dívida de R$ 57 mil com traficantes cariocas e, como Santos não pôde pagá-la, teve que buscar novos fornecedores, em São Paulo. Ontem, o grupo foi até a capital paulista buscar a maconha. Os cinco suspeitos estavam em dois carros Tipo, com a documentação regular. No veículo da frente estavam Carioca e as duas mulheres. Os dois irmãos seguiam, com a droga, um pouco atrás. No retorno a Campinas, investigadores abordaram o grupo e conseguiram parar o primeiro carro. Os ocupantes do segundo furaram o bloqueio e tentaram fugir. Houve perseguição por cerca de três quilômetros. Todos foram detidos por tráfico e associação para fins de tráfico, e encaminhados para cadeias da região. Segundo Casseb, não houve troca de tiros e ninguém ficou ferido. A polícia investiga com quem a quadrilha obteve os 33 quilos de maconha, que serão incinerados. Santos tinha passagem na polícia por tráfico, Almeida por roubo, Isabel e Edna por furto. Casseb comentou que essa foi a primeira quadrilha presa em Campinas com ligações com traficantes do Rio de Janeiro desde que assumiu a Dise, há um ano e meio. "Se o tráfico de Campinas tinha ligação com o do Rio, acabou com a prisão de ontem", afirmou. O delegado acrescentou que não há informações de que a quadrilha seja associada ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Fuga A polícia de Campinas abriu sindicância para apurar a fuga de 16 presos da Cadeia de São Bernardo, na madrugada de sábado. Eles escaparam de uma das celas do presídio, onde estavam 17 homens, por um buraco no teto feito, com uma furadeira movida a bateria. Dois foram recapturados logo após a fuga e um terceiro ontem à noite, no centro de Campinas. Treze continuavam foragidos esta a tarde.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.