Líder do PCC é transferido para presídio gaúcho

Um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que atua nos presídios de São Paulo, Marcos Willians Herbas Camacho, conhecido como "Marcola", vai passar 40 dias na Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (Pasc), no Rio Grande do Sul. "O Departamento Penitenciário Nacional estabeleceu este tempo quando nos pediu a cessão de uma cela e não antecipou qual será o destino que dará ao preso depois", informou nesta segunda-feira o titular da Superintendência dos Serviços Penitenciários do Rio Grande do Sul (Susepe), Aírton Michels.Marcola foi levado da Penitenciária de Segurança Máxima da Papuda, no Distrito Federal, ao Rio Grande do Sul na madrugada de sábado, em operação sigilosa da Polícia Federal. Condenado a 22 anos de detenção por assaltos a bancos e carros-fortes, foi várias vezes transferido depois que o PCC organizou uma megarrebelião que atingiu 29 unidades prisionais em São Paulo, em fevereiro de 2001.A primeira mudança foi para uma penitenciária de Santa Catarina. Ainda entre fevereiro e março do ano passado, Marcola ficou 18 dias na Penitenciária Modulada de Ijuí (RS) e, na seqüência, passou a cumprir pena na Papuda. No início deste ano permaneceu um mês no presídio de Aparecida de Goiânia e voltou à Papuda em 15 de fevereiro.Na ação que lembrou o primeiro ano da megarrebelião, no dia 18, membros do PCC exigiam ser informados sobre o paradeiro de Marcola e sua volta para a capital paulista.A política de transferências constantes foi adotada pelas autoridades para evitar que detentos considerados perigosos como Marcola e outros líderes do PCC como José Márcio Felício, o Geleião; Cesar Augusto Roris da Silva, o Cesinha; e Julio Cesar Guedes de Moraes, o Julinho, tenham tempo de assumir a liderança nas prisões para onde são mandados.Michels disse que Marcola ficará isolado em cela individual e não terá meio de comunicação disponível. O presidiário poderá falar com o advogado, mas a admissão de visitas familiares dependerá do comportamento dele. Durante a permanência do líder do PCC em Charqueadas a segurança interna e externa da Pasc será reforçada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.