Líder do PT apresenta emendas para ONG que emprega sobrinha

Enio Tatto, que defende CPI para apurar o caso das emendas, fez dois pedidos para instituto, num total de R$ 200 mil

O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2011 | 03h04

O líder do PT na Assembleia, deputado Enio Tatto, criou emendas para uma ONG na qual trabalha a filha de um de seus irmãos e cuja liberação de recursos é destinada a projetos sociais que beneficiam seu tradicional reduto político, a periferia da zona sul de São Paulo.

Duas emendas foram apresentadas por Tatto e dirigidas ao Instituto de Tecnologia Social Brasil (ITS Brasil), sob gerência executiva de Irma Passoni, ex-deputada federal pelo PT por quatro mandatos e com uma história dedicada a movimentos populares e comunidades carentes.

Júlia Tatto, sobrinha de Enio, trabalha há três anos na entidade. Exerce função "na área de comunicação". Ela cursa o último ano de jornalismo. Na quarta-feira, depois da denúncia de venda de emendas feita pelo deputado Roque Barbiere (PTB), o PT propôs uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI ) para investigar o caso. O pedido é capitaneado por Tatto. "É necessário e se faz urgente apurar se houve desvios de finalidade ou tráfico de influência, no âmbito do governo do Estado na destinação de recursos públicos", disse ele.

A primeira emenda de Tatto, 9061/2010, proposta em setembro do ano passado, destinava R$ 150 mil ao ITS Brasil para capacitação e aquisição de equipamentos. Segundo a assessoria do parlamentar, o governo vetou esse pedido. No fim de 2010, o deputado apresentou uma segunda emenda para o mesmo projeto, dessa vez no montante de R$ 50 mil.

Artesãos. O valor deverá ser repassado para o ITS desenvolver o Centro de Formação de Artesãos, cuja oficina de marcenaria se situa em Parelheiros, região em que Tatto e seus irmãos - o vereador Arselino e o deputado federal Jilmar - costumam ter votação expressiva. A assessoria do petista informou que, no dia 14, "o governo comunicou a aprovação para liberação da verba". O repasse ainda não foi executado.

O ITS foi criado em 2001, como Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (Oscip). Sua principal missão é "promover a geração, o desenvolvimento e o aproveitamento de tecnologias voltadas para o interesse social". Irma Passoni, que desde os anos 60 prega apoio aos desassistidos, defende "a importância da ciência e tecnologia para resolver demandas sociais".

Luiz Otávio Alencar Miranda, consultor do ITS, confirmou ter procurado o gabinete de Tatto. "Falei com assessores. Procuramos (Tatto) porque ele é muito participativo na região de Parelheiros e Grajaú. O Centro de Formação de Artesãos é real."

Júlia Tatto foi taxativa. "Eu trabalho mesmo no ITS, mas desconheço esse projeto e a emenda. Minha função é na área de comunicação." / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.