Líder do PT defende participação do PDT em eventual 2º governo Lula

O líder do PT na Câmara, deputado Henrique Fontanta (RS), defendeu nesta terça-feira a participação do PDT no Ministério em um eventual segundo mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Fontana disse que o PDT - cujo candidato presidencial, Cristovam Buarque, recebeu 2,538 milhões de votos no dia 1º - deve se tornar um aliado e entrar na base de apoio ao governo no Congresso. "Temos de ter um governo de coalizão. O PDT é importantíssimo, e queremos o apoio do partido e sua participação no Ministério de Lula", afirmou o líder petista. Para Fontana, Lula precisa de 1,2 milhão de votos para se reeleger, e a metade dos votos de Cristovam Buarque seria suficiente para garantir a reeleição do presidente. O deputado argumentou que o PDT tem mais afinidade política com o governo Lula, porque é contra, por exemplo, as privatizações. O deputado disse que o fato de Cristovam ter sido demitido por Lula pelo telefone quando era ministro da Educação "é um fato do passado e, se houver alguma mágoa, pode ser resolvida."Fontana defendeu a necessidade de, a partir de agora, elevar o tom da campanha, para mostrar que há um "risco-Alckmin". "O Brasil voltar para as mãos dos neoliberais é um desastre", afirmou. Ele falou com jornalistas ao chegar, por volta das 17 horas, ao gabinete do presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), para uma reunião dos líderes partidários.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.