Líder foragido do MTL só se entrega com regime domiciliar. No assentamento

O líder do Movimento Terra, Trabalho e Liberdade (MTL), Valdemir Agustinho, acusado de saques, bloqueios de estradas e invasões de prédios, aceita se apresentar à Justiça, desde que responda pelas acusações em regime domiciliar, no assentamento da Fazenda Onça, em Novo Lino, Zona da Mara alagoana, a 98 km da capital. A proposta foi encaminhada às autoridades judiciais, ao Ministério Público Estadual e Federal pela coordenação nacional do MTL. O movimento também exige garantia de vida para Valdemir, que está ameaçado de morte por ter denunciado o ex-prefeito de Novo Lino e ex-administrador da Fazenda Onça, Lula Soares, de prática de pistolagem. Quer ainda uma comissão de advogados, entidades e autoridades para acompanhar o caso em Alagoas e Brasília, junto às instituições jurídicas e de Direitos Humanos, para garantir ao líder do MTL direito a ampla defesa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.