Líderes de rebeliões no RN são transferidos para presídio federal

Ao todo, 16 presos foram levados em caráter transitório para Mossoró, no interior, e serão encaminhados para outros estados 

Anna Ruth Dantas, ESPECIAL PARA O ESTADO

21 Março 2015 | 12h59

NATAL - Os 16 detentos apontados pelo Ministério Público como os líderes das rebeliões que ocorreram nas última semanas no Rio Grande do Norte foram transferidos na manhã deste sábado, 21. Eles saíram do sistema penitenciário estadual e foram levados para o Presídio Federal de Mossoró, distante 280 quilômetros de Natal.

Segundo o juiz da Vara de Execuções penais Henrique Baltazar, a permanência dos presos na prisão federal será por seis meses ou um ano, podendo ser renovado pelo mesmo período em função do comportamento de cada detento.

Apesar disso, ele chamou a atenção para o fato de que os líderes das rebeliões do Rio Grande do Norte ficarão em Mossoró apenas em caráter transitório. "Eles irão para outras penitenicárias federais até porque não podem ficar em uma penitenciária federal do mesmo Estado onde cumprem pena", observou. O magistrado destacou ainda que os presos permanecerão em Mossoró enquanto o Departamento Peniteniciário Nacional (DEPEN) não define o presídio federal que os abrigará.

A transferência ocorreu sob forte esquema de segurança. Eles foram transportados em um ônibus locado, que recebeu escolta de veículos e homens da Polícia Rodoviária Federal (PRF), da Força Nacional e do Batalhão de Operações Especiais (BOPE).

O Rio Grande do Norte viveu entre os dias 11 e 18 deste mês a maior crise do sistema penitenciário da história do Estado. Dos 33 presídios estaduais, em 14 foram registrados motins. O sistema estadual potiguar tem hoje 7.500 presos, quando a capacidade é de 4.463.

O Governo do Estado já assinou ordem de serviço para as obras de reconstrução dos presídios depredados pelos presos. A construção deverá ser iniciada na próxima segunda-feira.

Mais conteúdo sobre:
Rio Grande do Norte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.