Reprodução Google Maps
Reprodução Google Maps

Líderes do PCC assassinados no Ceará viviam em mansão 

Polícia confiscou quatro carros de luxo que estavam na garagem, além de todos os pertences da casa

Lauriberto Braga, especial para O Estado

20 Fevereiro 2018 | 15h16

FORTALEZA - Os líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC) mortos no Ceará no final da semana passada - Rogério Jeremias de Simone, o Gegê do Mangue, e Fabiano Alves de Sousa, o Paca - viveram nos últimos meses numa mansão no Condomínio de Luxo Alphaville, no Porto das Dunas, em Aquiraz, região metropolitana de Fortaleza.

A dupla comprou uma casa no local por R$ 2 milhões, em um pagamento em dez cheques de R$ 200 mil. Foi o que descobriu a polícia cearense a partir de uma mandado judicial de busca e apreensão efetuado entre segunda, 19, e esta terça-feira, 20.

Policiais da Delegacia de Repressão às Organizações Criminosas (Draco) vistoriaram a casa comprada por Gegê e Paca em nome de um 'laranja'. Já confiscaram, além de todos pertences da casa, quatro carros de luxo que estavam na garagem. A investigação rastreou a dupla que fez compra de outros imóveis no Ceará.

A polícia cearense descobriu nesta terça-feira, 20, que Gegê do Mangue e Paca, além da mansão no Alphaville do Porto das Dunas, compraram casas no Alphaville do Eusébio, também na região metropolitana de Fortaleza; apartamentos (um por andar) no bairro Cocó, área nobre de Fortaleza; e uma mansão na Praia do Uruaú, em Beberibe, a 80 quilômetros de Fortaleza - esta, no valor de 

R$ 1,1 milhão. Os valores dos demais imóveis investigados não foram informados pela polícia. Foi rastreado ainda o pagamento do embalsamento dos corpos dos dois feito a uma funerária em Fortaleza, calculado em R$ 100 mil.

A dupla foi encontrada morta no último sábado, 17, na Lagoa Encantada, na reserva indígena Jenipapo-Kanindé, em Aquiraz. A polícia rastreia o helicóptero usado na execução de Gegê e Paca. 

De acordo com a investigação, os dois foram levados para a reserva num helicóptero e lá foram mortos a tiros de fuzil e facadas.

Os corpos foram encontrados por um catador de frutas com cordões de ouro avaliados em R$ 200 mil. Os cordões foram entregues a familiares, que reconheceram os corpos na Perícia Forense Cearense (Pefoce). 

Os corpos seguiram para São Paulo na noite de segunda-feira, 19. O sepultamento dos líderes do Sintonia Geral Final, a cúpula do PCC, deve acontecer ainda nesta terça-feira em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.