Líderes mundiais cumprimentam Lula pela reeleição

Ao chegar por volta de 15h30 desta segunda-feira, 30, ao Palácio do Planalto, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu de assessores mensagens enviadas pelo primeiro-ministro inglês, Tony Blair, e pelos presidentes da Argentina, Néstor Kirchner, da França, Jacques Chirac, e do Paraguai, Nicanor Duarte, com felicitações pela nova vitória nas urnas.Blair ressalta em sua carta o desejo de desentrave nas negociações comerciais de Doha. Na terça, Lula conversará por telefone com o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e com uma série de chefes de Estado da Europa, América Latina e África."Esteja certo que a França lhe dará seu firme apoio para que o lugar do Brasil no mundo seja reconhecido no quadro da reformas das Nações Unidas para a qual trabalhamos juntos", escreveu Jacques Chirac. "Jovens da França, prestem mais atenção no Brasil", continuou o presidente francês. "A escolha do povo brasileiro augura um período em que este grande país, perseguindo esforço de modernização ao qual você tem se dedicado, confirmará os progressos já conquistados."O presidente argentino, Nestor Kirchner, ressaltou em carta que o Brasil é uma nação "irmã". "O governo argentino deseja transmitir ao governo e ao povo da nação irmã sua mais sincera felicitação pelo ato cívico exemplar realizado no dia de ontem (29 de outubro)", escreveu Kirchner. "Assim mesmo desejamos augurar maior êxito na continuidade de sua gestão e desejar que durante novo mandato a relação entre nossos países continue sendo tão estreita e frutífera como é hoje."Nicanor Duarte, presidente do Paraguai, escreveu que a vontade do governo dele é manter e ampliar as "relações fraternas" que existem com o Brasil. Já Tony Blair disse esperar que sejam mantidos os trabalhos sobre temas bilaterais e globais com o governo brasileiro. "Um dos mais urgentes é a agenda do desenvolvimento de Doha", destacou. "É claro que nós partilhamos entendimento comum sobre a importância da agenda do desenvolvimento de Doha para a economia global e os países pobres em particular", acrescentou. "Eu espero que possamos continuar a trabalhar juntos, para que possamos reiniciar as negociações tão logo que possível."Ainda no domingo, Lula conversou por telefone com a presidente do Chile, Michele Bachelet. Na segunda, ele atendeu telefonemas dos governadores eleitos de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), do Pará, Ana Júlia Carepa (PT), e da Paraíba, Cássio Cunha Lima (PSDB).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.