Liga denuncia calote de criadores de camarote em SP

Atravessou o samba no carnaval. Empresas que criaram um camarote especial no sambódromo e escalaram o ator Reynaldo Gianecchini como anfitrião não pagaram pelo espaço, segundo a Liga das Escolas de São Paulo e a Dimep Gráfica, responsável pela venda de ingressos para o desfile. Com isso, a Liga e a Dimep anunciaram que vão vender entradas antes reservadas ao camarote. Concebido pelas empresas No Fear e Fast Line, o Camarote A1 ocuparia todo o módulo do Setor J, o mais próximo da concentração, do lado direito de quem entra na passarela: 1.740 lugares de arquibancada, 6 camarotes para 25 pessoas, 2 para 10 foliões, 164 cadeiras de pista e 104 mesas de pista. A promoção seria válida para as duas noites do Grupo Especial, nos dias 24 e 25, e para o desfile das campeãs, em 3 de março. "Eles fizeram a reserva dos lugares, mas não o pagamento. Estávamos com o setor bloqueado e vamos começar a vendê-lo", disse o presidente da Dimep Gráfica, Josué Dimas de Melo Pimenta. As organizadoras do Camarote A1 deveriam depositar cerca de R$ 600 mil até o dia 3, segundo a Dimep. "Enviamos uma notificação e demos novo prazo, até o dia 8. É uma pena, mas somos obrigados a vender os ingressos." A No Fear e a Fast Line anunciaram a venda de ingressos para o Camarote A1 pela imprensa e num site. Ao abrir a página, o internauta vê a foto de Gianecchini ao lado de um logotipo que lembra o arco-íris e o slogan Todas as Cores do Mundo. Abaixo, mais fotos de atores e personalidades. Segundo a página, o ingresso para um dia de folia custa R$ 3 mil, e o primeiro lote é vendido com "mais de 30% de desconto". A reportagem procurou os organizadores do Camarote A1, que se mostraram surpresos com o anúncio da Liga e da Dimep, mas não deram resposta até as 19h30 nem informaram quantos ingressos já venderam para o espaço. A assessoria de Gianecchini confirmou que ele foi contratado pela No Fear e a Fast Line, mas preferiu não comentar o episódio. Em nota, Liga e Dimep criticaram o uso do logotipo oficial do carnaval 2006 na propaganda do Camarote A1 e alegaram que "não se responsabilizam pela citada campanha" publicitária. No site, as organizadoras do espaço dizem ter apoio da Prefeitura, Polícia Militar, da Liga e da Dimep. A São Paulo Turismo (SPTuris) negou que dê suporte ao Camarote A1.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.