Liminares permitem vistorias de agentes do combate à dengue

A Justiça concedeu nove liminares e funcionários da prefeitura de Ribeirão Preto que fazem o combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, vistoriaram nesta segunda imóveis fechados ou onde os donos não permitiam a entrada.Os agentes conseguiram entrar em dois dos quatro notificados pela manhã. Ribeirão Preto vive uma epidemia de dengue, com 1.477 casos, sendo nove hemorrágicos, e uma morte provocada pela doença. Os donos de outros cinco imóveis foram notificados à tarde. Nesta terça, um ferro-velho será alertado por um oficial de Justiça para limpar o terreno, caso contrário será multado em R$ 500 por dia depois de 48 horas.No bairro Campos Elíseos, um morador resistiu à visita durante duas horas, apesar da autorização judicial e de ser a quarta vez que funcionários foram ao local. Mesmo com a intervenção da Polícia Militar, ele tentou proibir a entrada dos funcionários públicos na residência. Após meia hora de vistoria, nenhum foco do mosquito foi encontrado. "Só tinha sujeira, um ambiente propício para escorpiões, mas não criadouros do mosquito da dengue", disse o diretor de Vigilância em Saúde do município, Clésio Sousa Soares.Em outro imóvel, ao ser notificado, o morador autorizou a entrada dos agentes públicos. Nos demais, foram dados prazos.Segundo Soares, os casos mais problemáticos são as borracharias, ferros-velhos e sucateiros. Esses serão notificados para vistoria. Cerca de 50 ações judiciais, com pedidos de liminares, devem ser encaminhadas pelo Departamento Jurídico da prefeitura para que os imóveis sejam visitados. Alguns moradores resistem à entrada dos agentes públicos e a única maneira de vistoriar os imóveis fechados é a via judicial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.