Linha 5 desapropriará 360 imóveis

Metrô apresenta os endereços das 11 futuras estações, detalha obras e diz que vai criar 3 parques em S. Amaro

Daniel Gonzales, O Estadao de S.Paulo

08 de maio de 2009 | 00h00

As 11 futuras estações que farão parte da expansão da Linha 5- Lilás do Metrô - que hoje liga o Capão Redondo ao Largo 13 (Santo Amaro) e chegará até a Chácara Klabin, cortando áreas nobres da zona sul - já têm os endereços definidos. As paradas ficarão distribuídas ao longo de três eixos principais: Avenidas Santo Amaro e Ibirapuera e Rua Pedro de Toledo. No total, a extensão da Linha Lilás vai exigir a desapropriação de cerca de 360 imóveis para a edificação das estações e de mais 16 poços, que estarão distribuídos ao longo dos 10,9 km do percurso e funcionarão para acesso às obras e também como saídas de emergência. Serão derrubadas 377 árvores.As informações completas sobre a extensão da Linha Lilás foram apresentadas ontem pelo Metrô. Até agora, só haviam sido divulgadas informações parciais, como a desapropriação de 114 imóveis de alto e médio padrões entre a futura Estação Adolfo Pinheiro e a Subestação de Energia Elétrica Bandeirantes (que será construída ao lado da Avenida Bandeirantes e fornecerá energia para os trens), na região de Moema e Campo Belo, cujos proprietários começaram a ser notificados no mês passado.Para os 360 imóveis que compõem o total necessário a desocupar até Chácara Klabin, há a previsão de gastar R$ 350,6 milhões com desapropriações. Somando obras e trens, o total a ser investido na Linha 5 será de R$ 4,99 bilhões. O Metrô trabalha com a hipótese de entregar o novo trecho, que se somará aos 10,5 km atuais, deixando a Linha 5 com o total de 21,4 km, em março de 2012. A extensão será totalmente subterrânea.Na Subestação Bandeirantes, entre as futuras Estações Água Espraiada e Ibirapuera será escavada uma entrada para um tatuzão (shield, escavadeira subterrânea de alta pressão) que abrirá os túneis até a Rua Dionísio da Costa, depois da Estação Chácara Klabin. Só nesta rua, ponto final da linha, cerca de 12 imóveis serão desocupados e demolidos para permitir a abertura de um poço para a saída da máquina do subsolo. A outra parte do trajeto será escavada pelo método tradicional, com máquinas leves. A Linha 5 vai ganhar ainda um novo pátio de estacionamento de trens, chamado Pátio Guido Caloi, na avenida de mesmo nome. Haverá um segundo pátio, subterrâneo, na região do Parque das Bicicletas, na esquina das Avenidas Ibirapuera e Indianópolis, na zona sul. Por causa disso, o parque terá 80% de sua área emprestada para o canteiro de obras, a partir do ano que vem, permanecendo quase totalmente fechado até 2012.O Metrô fará uma compensação pelas árvores que terão de ser derrubadas, ajudando na criação e implementação de três novos parques. O 450 Anos e o Alfomares ficarão na Rua Visconde de Porto Seguro. O terceiro, Jardim Cordeiro, está previsto para a Avenida Professor Rubens Gomes de Souza.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.