Linha de maré foi demarcada há 176 anos

Estudo recente da USP indica que o nível do mar avançou 10 metros desde então

O Estadao de S.Paulo

07 Agosto 2026 | 00h00

O ponto oficial da linha da maré foi demarcado no Porto do Rio, em um trabalho feito por funcionários do Observatório Nacional, em 1831. Foi traçado para orientar a cobrança de impostos pela Coroa. "O objetivo era descobrir o ponto em que começaria o País legal", diz o professor Afrânio Rubens de Mesquita, do Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (USP).A demarcação da linha durou até uma reforma do Porto do Rio. O marco desapareceu e, pior, não há registros de quando isso aconteceu. "Os registros históricos do Instituto de Pesquisas Hidroviárias (INPH) só revelam que o ponto da linha da maré desapareceu durante uma reforma. Desde então também passou a ser utilizada como referência a linha da faixa de vegetação nas praias", revela Mesquita.Em setembro de 1946, a União publicou um decreto determinando que os terrenos de marinha estavam incluídos nos seus bens imóveis. O problema, então, foi definir onde, fisicamente, passaria a linha da maré em cada região do País. Mas ainda restaram algumas referências da linha média de 1831. Uma delas é uma medição feita em Cananéia, no litoral sul paulista.CRÍTICA AO DECRETOO estudo do Instituto Oceanográfico alerta que o legislador de 1946 desconsiderou o conhecimento da ciência acumulado durante o período, principalmente em relação ao fenômenos glaciais e de aquecimento global. "Os funcionários do Observatório Nacional trabalhavam com o nível do mar histórico e constante de 4 mil anos. O decreto de 1946 poderia ter levado em consideração os fenômenos causados pelo homem no período, e não só seguir a linha preamar (média entre as marés alta e baixa) de 1831", critica o professor.Em um trabalho concluído em 2004, o instituto foi contratado por donos de imóveis da Praia do Pulso, em Ubatuba, no litoral norte, para fazer uma atualização da linha da maré. Apurou que o mar avançou 10 metros em relação ao nível de 1831.Para chegar a esse resultado, técnicos da USP acompanharam o nível médio na Praia do Pulso durante cinco dias, das 6 às 18 horas. A preamar, definida com a ajuda de réguas de medição, foi comparada com a série histórica anual feita na cidade francesa de Brest, no Canal da Mancha, e com a linha média de Cananéia.AVANÇO DO MAR"Nosso estudo levou em conta os novos fenômenos globais. O nível do mar é uma coisa móvel", diz Mesquita. Um dado aceito internacionalmente é o de que o mar tem avançado em média 41 centímetros a cada cem anos.O professor diz que o estudo está disponível para consulta da comunidade. "O objetivo foi fazer as correções adequadas para não prejudicar a preservação das praias e, ao mesmo tempo, fornecer instrumentos para regularizar os imóveis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.