Linha Vermelha: 260 policiais vão reforçar a segurança

Até a próxima segunda-feira, 260 policiais militares, deslocados para o Batalhão de Polícia Rodoviária especialmente para conter a criminalidade na Linha Vermelha e outras vias perigosas do Rio de Janeiro, serão distribuídos por cerca de 37 quilômetros, da Rodovia Presidente Dutra à zona sul, promete a PM. Na manhã desta quarta, o grupo foi reunido pela primeira vez.A partir desta quinta-feira, 11, os policiais começarão a receber armas e munições para trabalhar. O contingente colocará em prática o esquema especial montado para coibir assaltos e tiroteios, que assustam cariocas e turistas. Segundo a PM, a cobertura será feita 24 horas por dia. O efetivo ficará em dois eixos: um compreende 24 quilômetros, saindo da Dutra, passando por toda a extensão da Linha Vermelha e chegando até a entrada do Túnel Rebouças (ligação na zona norte com a zona sul); o outro, com cerca e 13 quilômetros, inclui o Elevado da Perimetral (que leva ao centro) e o Aterro do Flamengo, até chegar ao bairro de Botafogo. Os 260 PMs (sargentos, cabos e soldados) terão 30 carros e doze motos. Segundo o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, os 260 policiais têm seis meses de formação. "Não são pessoas muito novas nem têm os vícios da carreira", disse. Parte ficará em pontos fixos; parte fará rondas. O comando caberá ao major Claudio dos Santos, do BPRv. "Ele não vai fazer mais nada, vai focar exclusivamente na Linha Vermelha", explicou o chefe do Estado-Maior da PM, o coronel Samuel Dionízio, que participou do planejamento. Em cada eixo estarão ainda sete tenentes, que terão autonomia para remanejar seus subordinados conforme a necessidade. Dois pontos merecerão atenção especial, por concentrarem muitas casos de violência: o trecho da Linha Vermelha nas imediações do Hospital da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - onde são constantes os ataques de traficantes e tiroteios com a polícia - e o Elevado da Perimetral, que leva ao centro - perto do qual a presidente do Supremo Tribunal Federal, Ellen Gracie, teve o carro oficial roubado, em dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.